QpQ Resenha | Alice no País das Maravilhas

Tim Burton re-imagina o conto clássico de Lewis Carroll, em "Alice no País das Maravilhas"

Quando se fala da experiência 3D atual, não se pode deixar de fora Avatar e agora, com certeza, Alice no País das Maravilhas.

O diretor Tim Burton re-imaginou o conto clássico de Lewis Carroll, de forma que alguns puristas poderão ficar de fora. Mas a história que ele apresenta, com uma Alice mais velha, é envolvente e divertida. Com isso o visual da paisagem pela qual ela viaja é repleto de cor, magia e esplendor.

01AlicenoPaisdasMaravilhas

Nas frequentes adaptações sempre se deixa de lado o essencial da obra de Carroll, que ela é sobre crescimento, o que implica em algumas experiências escuras e bizarras. Destilando isso do conto original, Burton presenteia a plateia com esses momentos escuros e fantasiosos, mesclando o material original com ideias modernas que provém obviamente da genialidade desse cineasta único.

Como Alice, Mia Wasikowska está perfeita, capturando dessa forma o seu senso de inocência. Ela é uma garota diferente do grupo vitoriano normal, fora de sintonia com seu par, que prefere dar asas a sua imaginação a uma dança em um baile de noivado (o seu!). Quando é distraída por um coelho branco com um relógio de bolso, o segue. É então que Alice cai na famosa toca do coelho e sua aventura no “País das Maravilhas” começa.

02AlicenoPaisdasMaravilhas

Os personagens digitais são tão vividos que parecem atores no filme. O gato de Cheshire e a Lagarta são excepcionais, Matt Lucas e seus Tweedledee e Tweedledum também.

Mas a escolha mais acertada do cineasta, sempre, é sua dupla recorrente de atores, Johnny Depp e Helena Bonham-Carter, o Chapeleiro Louco e a Rainha Vermelha, respectivamente. Enquanto o primeiro ganha mais atenção do que suas encarnações anteriores e usa de um olhar a là Willy Wonka, a segunda rouba a cena com sua verbosidade hilariante.

03AlicenoPaisdasMaravilhas

Não mais Wonderland (País das Maravilhas), mas sim Underland (Mundo Subterrâneo), o qual Alice visitara alguns anos antes, esse mundo fantástico deteriorou-se sobre o reinado de terror da Rainha Vermelha. Cabe a Alice, ao lado da pacífica, porem um tanto estranha, Rainha Branca (Anne Hathaway) colocar as coisas no lugar.

Com ponto falho apenas na música pop de Avril Lavigne nos créditos finais, o filme devia vir rotulado, assim como os bolinhos que Alice come ao longo dele, com uma plaqueta de “Assista-me”, pela sua extravagância e visual estarrecedor.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Felipe Sclengmann
Era praticamente impossí­vel que o cinema não acabasse sendo minha paixão. Cresci no prédio onde um cinema funcionava, criado por um avô e uma avó que se conheceram trabalhando no ramo. Então, tá explicado! Falar sobre cinema é um hobbie, uma paixão, tá no meu sangue! Este é o motivo do Quadro por Quadro existir (além de aplicar os conhecimentos de uma graduação em Sistemas de Informação, a qual detesto) e ele está aí para reunir quem também ama esta arte.