QpQ Resenha | O Homem de Aço

"O Homem de Aço" traz super-homem mais realista, na medida do possível

Quero começar dizendo que entendo o poder dos filmes de Christopher Reeves como Superman, lançados em 1978, 1980, 1983 e 1987, respectivamente. Mas no caso desses quatro filmes, não era Superman que era o herói, mas sim o próprio Christopher Reeve com sua atuação que fazia qualquer um acreditar que um homem podia voar, mesmo com os efeitos especiais pífios da época.

MAN OF STEEL

Então vamos falar de O Homem de Aço, nova adaptação dos quadrinhos do herói. Começando com o início que já nos é familiar, Zach Snyder (300, Watchmen e Sucker Punch) nos mostra sua versão do início da vida de Superman, começando com seu nascimento em Krypton, que é de uma beleza imagética digna de um Avatar.

A novidade, mais uma vez, está em quando o bebê Kal-El pousa na Terra, o filme corta para uma versão adulta, crua, brutal e relutante do herói. Ele vai de trabalho em trabalho, vivendo uma vida sem graça, e no meio desses trabalhos é que vemos em flashbacks como ele foi descobrindo seus poderes. Mas também através desses flashbacks é que descobrimos o motivo dele querer permanecer fora do mapa.

MAN OF STEEL

Mas quando um velho amigo do seu pai verdadeiro, o General Zod (que está muito bem interpretado por Michael Shannon, de O Abrigo), chega ao nosso planeta, o heroi precisa dar as caras. E o faz lindamente!

Sob a batuta de Snyder, com produção de Christopher Nolan (que dirigiu a ótima trilogia do Batman), o filme é o mais realista que se pode chegar nesse universo dos quadrinhos. E em se tratando de Superman, isso é um grande feito!

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Felipe Sclengmann
Era praticamente impossí­vel que o cinema não acabasse sendo minha paixão. Cresci no prédio onde um cinema funcionava, criado por um avô e uma avó que se conheceram trabalhando no ramo. Então, tá explicado! Falar sobre cinema é um hobbie, uma paixão, tá no meu sangue! Este é o motivo do Quadro por Quadro existir (além de aplicar os conhecimentos de uma graduação em Sistemas de Informação, a qual detesto) e ele está aí para reunir quem também ama esta arte.