QpQ Resenha | Cinquenta Tons de Cinza

“Cinquenta Tons de Cinza” não é ruim, mas podia ser muito melhor

Cinquenta Tons de Cinza não traz nada de novo ao cinema erótico, e isso é ponto pacífico. Não há nada ali que não tenha sido mostrado em 9 ½ Semanas de Amor ou no ótimo Secretária. Mas este também não é o típico arrasa quarteirões que o cinema hollywoodiano está acostumado.

O insano sucesso da trilogia de livros se dá para mostrar o quão fortes podem ser as fantasias femininas e este sucesso deve alavancar a percepção do público sobre esta adaptação.

01CinquentaTons

A adaptação não é tão cansativa ou ridícula como alguns esperavam e, ao se falar de adaptação de obras literárias, fica entre os péssimos Crepúsculos e o ótimo Garota Exemplar. Apesar de que as analogias com Crepúsculo e seu “príncipe” inalcançável sejam bem mais palpáveis.

A principal razão para o filme funcionar é a escolha de Dakota Johnson. Ela dá o tom insosso que a personagem carece, mas sem parecer ridícula como Kristen Stewart em Crepúsculo. Já Jamie Dornan e seu Christian Grey soa apático e enigmático, mas deixando a dúvida se tal apatia se deve por sua atuação duvidosa ou pelas escolhas da diretora.

02CinquentaTons

Dá para entender que a relação dominante e submissa talvez não seja o chamariz principal do filme para o público feminino, mas a forma como a relação entre seus personagens se desenvolve o é, com certeza. E apesar de vários diálogos estapafúrdios e bobos, tal relação quase parece plausível no cinema.

A diretora faz o que pode para dar unidade ao filme. A fotografia é bem tratada e a trilha sonora está bem colocada em momentos chave. O filme é elegante e não se suja com o sadomasoquismo retratado em nenhum momento, não correndo o risco de afugentar o público que almeja alcançar.

Se ousasse um pouco mais, poderia beirar o Ninfomaníaca de Lars Von Trier. Não o faz! Resta esperar para que nos próximos, os produtores tenham uma maior audácia e que não desandem a mão com o que já deu certo neste primeiro episódio.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Felipe Sclengmann
Era praticamente impossí­vel que o cinema não acabasse sendo minha paixão. Cresci no prédio onde um cinema funcionava, criado por um avô e uma avó que se conheceram trabalhando no ramo. Então, tá explicado! Falar sobre cinema é um hobbie, uma paixão, tá no meu sangue! Este é o motivo do Quadro por Quadro existir (além de aplicar os conhecimentos de uma graduação em Sistemas de Informação, a qual detesto) e ele está aí para reunir quem também ama esta arte.