QpQ Resenha | Chappie

"Chappie" é uma divertida ficção científica com pegada hip hop

Chappie, dirigido por Neill Blomkamp (de Distrito 9), é uma ficção científica que se passa em Joanesburgo, a maior cidade da África do Sul. Blomkamp desenvolveu o projeto através dos curtas Tetra Vaal (2004), onde apresenta o conceito de robôs policiando a sociedade, e Tempbot (2006), em que um robô acumula conhecimento e empatia por aqueles que o cercam.

01Chappie

Num futuro próximo, robôs providos de inteligência artificial integram a força policial que mantém a sociedade em segurança. E é aí que somos apresentados a um robô em especial que, após ser gravemente danificado em uma ação policial, é descartado para reciclagem.

Dev Patel é Deon Wilson, o genial jovem engenheiro que criou os policiais robôs. Seu objetivo agora é fazer com que a máquina desenvolva consciência. Seu sucesso ofusca o trabalho de Vincent Moore, interpretado por um Hugh Jackman com mullets, um ex-militar que deseja a todo custo viabilizar seu projeto: um enorme robô tanque de guerra.

02Chappie

Deon, quando resolve testar sua programação de consciência no robô descartado, é raptado por três bandidos atrapalhados. E é no gueto que o filme e o robô ganham vida. Além de Shorlto Copley, numa ótima performance interpretando um ingênuo Chappie, Ninja e Yo-landi (do duo Die Antwoord) ganham espaço para cativar o público como seus tutores.

Os efeitos especiais estão presentes e são bons, a trilha funciona (em especial o rap eletrônico situando o gueto), mas o embate entre bem e mal ganha força — e esta é uma de suas falhas: caracterizar este dualismo entre o jovem cientista benevolente e o vilão ex-militar ganancioso.

03Chappie

Chappie consegue emocionar, mas alguns pontos falhos do roteiro sempre nos mantém conscientes que trata-se, apenas, de um filme.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Atilio Comper Neto
Publicitário apaixonado por filmes, música e games. Evolução pokémon de um nerd, só troca uma sessão de cinema pra passear com sua cadela no parque. Sempre que pode dá uma escapadinha para Nova Iorque, onde gosta de caminhar a esmo.