QpQ Resenha | Minha Querida Dama

"Minha Querida Dama" é um filme centrado, com foco no relacionamento de seus personagens

Minha Querida Dama é um filme sensível, fácil de assistir, feito para um espectador maduro, desprovido de piadas bobas e emoções baratas.

Disto isto, tudo o que você terá ao encarar a “jornada” do filme são três performances impecáveis, e uma história simples e bem contada.

01MinhaQueridaDama

O cenário é Paris. O solitário Mathias Gold herda dos pai uma grande casa. Quando ele viaja à capital francesa para tomar posse do imóvel, descobre que o local é habitado por Mathilde, uma senhora de 90 anos de idade, sem pretensões de se mudar e amparada pela lei para ficar na residência. Ele gostaria de vender o apartamento, inicialmente, mas estes planos podem acabar bem diferentes do original.

Baseado em uma peça de teatro do escritor/diretor Israel Horovitz, que também dirige a adaptação, a maior parte da trama ocorre dentro do grandioso apartamento herdado por Mathias.

02MinhaQueridaDama

Kevin Kline consegue interpretar um Mathias realmente cabeça-dura e sua relação com Mathilde (a ótima Maggie Smith), engrandece o trabalho dos atores acrescentando um charme para a interpretação de ambos.

Enquanto isso, Kristin Scott Thomas, que interpreta a filha de Smith, entrega uma interpretação enérgica como uma mulher que tenta defender sua mãe e sua casa com unhas e dentes. E nessa trajetória, todos os três personagens são explorados a fundo e seus passados vêm à tona a fim de traçar seus respectivos futuros.

03MinhaQueridaDama

O grande trunfo é que Horovitz consegue minimizar com rapidez pequenos desconfortos que o filme pode causar ao espectador.

A grande lição do filme é que tentar encontrar algum culpado por nossos problemas nos prende no passado. E já que todos possuem falhas, talvez a melhor coisa a se fazer seja procurar pelas possibilidades que surgem em nosso futuro.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Felipe Sclengmann
Era praticamente impossí­vel que o cinema não acabasse sendo minha paixão. Cresci no prédio onde um cinema funcionava, criado por um avô e uma avó que se conheceram trabalhando no ramo. Então, tá explicado! Falar sobre cinema é um hobbie, uma paixão, tá no meu sangue! Este é o motivo do Quadro por Quadro existir (além de aplicar os conhecimentos de uma graduação em Sistemas de Informação, a qual detesto) e ele está aí para reunir quem também ama esta arte.