QpQ Resenha | Os Smurfs e a Vila Perdida

Uma nova aventura aguarda o grupo de Smurfs

Adaptações são sempre um desafio, principalmente quando se lida com uma história em que os personagens já cativaram o público e marcaram uma geração. Os dois primeiros filmes dos Smurfs não conseguiram superar sua origem, quando mesclaram a animação dos azuizinhos com atores reais e tiraram os personagens do contexto de floresta e vila de cogumelos em que eles estavam tão bem inseridos. Isso, além de desgastar o filme, foi responsável por colocar o longa no mesmo grupo de Garfield e Alvin e os Esquilos. Mas nem tudo está perdido, e Os Smurfs e a Vila Perdida chega para provar por que não.

Gargamel nunca irá desistir de capturar os Smurfs e usar sua essência mágica para se tornar um mago poderoso. Quando ele consegue uma pista sobre uma outra vila de Smurfs, o trio formado por Gênio, Robusto e Desastrado, vai seguir a liderança de Smurfette para chegar antes do mago e avisá-los dos perigos. O que eles não esperavam era encontrar algo na vila que vai mudar completamente o modo Smurf de ver o mundo.

Nada como uma dose de empoderamento de personagens femininas e animação de qualidade para inovar uma história consagrada. Essa nova trama dos Smurfs fala sobre descobrir suas origens, fortalecer sua identidade própria, aceitar as diferenças e tantos outros temas que pareciam distantes desses personagens. E agora, sem a participação dos atores a não ser pelo empréstimo das vozes, a liberdade para animar melhorou a qualidade do filme, uma vez que o cenário e personagens secundários (como os coelhos que brilham no escuro) tem um toque a mais de magia e criatividade.

Esse é um filme que vai agradar tanto aos novos possíveis fãs de Smurfs, como àqueles que já são conhecidos dos personagens.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Thais Wansaucheki
Publicitária descendente de ucranianos que além de cinema nunca dispensa um bom Chai. Como curitibana da gema, aproveito os (raros!) dias de sol andando de bicicleta e os dias de frio com livros, HQs e receitas de doces! Sem falar das horas de conversas com amigos que independem do clima. Adoro balões e sou fã e jogadora incansável de Tetris.