QpQ Resenha | Paixão Obsessiva

"Unforgettable", ou melhor, "Paixão Obsessiva" não tem nada para ser lembrado

Ciúme, palavrinha que permeia muito relacionamento amoroso por aí e muitos thrillers dentro do cinema pipoca. Paixão Obsessiva é mais um exemplo do gênero e mais um longa que usa do sentimento para tentar criar uma certa tensão, apesar de passar bem longe de conseguir.

No filme, quando o casamento entre David (Geoff Stults, de Grace & Frankie) e Tessa (Katherine Heigl, de Casamento de Verdade) termina, ele fica com a casa e com a guarda da filha pequena. Tessa, furiosa com a situação, descobre que ele já está envolvido com uma nova mulher, Julia (Rosario Dawson, a Claire Temple das séries da Marvel com a Netflix), uma vítima de abuso por parte do ex-marido. Enquanto Julia se adapta à vida de madrasta, Tessa bola um plano para sabotar a nova namorada de David e retomar o relacionamento.

A produtora Denise Di Novi, de filmes como Edward Mãos de Tesoura, Pecado Original e Noites de Tormenta, estreia na direção a partir do roteiro de Christina Hodson (Refém do Medo). O problema é que não há nenhuma novidade em Paixão Obsessiva, além do fato de Katherine Heigl não estar fazendo uma comédia na qual quer casar com o bonitão em questão.

Tessa, a personagem de Heigl, é uma mulher obsessiva, ciumenta e que não medirá esforços para tirar David dos braços de Julia. Quantos thrillers de relacionamento já vimos com uma premissa semelhante?

O elenco, embora competente, não tem muito espaço para trabalhar a história e assim que as peças são mostradas no tabuleiro, já sabemos como elas irão se movimentar até o previsível e risível final.

Paixão Obsessiva, ou melhor, Unforgettable (Inesquecível em tradução literal) não tem nada para ser lembrado após o fim da sessão, apenas se você quiser se martirizar pela 1h40 perdida enquanto assistia ao filme.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Felipe Sclengmann
Era praticamente impossí­vel que o cinema não acabasse sendo minha paixão. Cresci no prédio onde um cinema funcionava, criado por um avô e uma avó que se conheceram trabalhando no ramo. Então, tá explicado! Falar sobre cinema é um hobbie, uma paixão, tá no meu sangue! Este é o motivo do Quadro por Quadro existir (além de aplicar os conhecimentos de uma graduação em Sistemas de Informação, a qual detesto) e ele está aí para reunir quem também ama esta arte.