QpQ Resenha | Emoji: O Filme

Emoji: O Filme, nova animação da Sony Animation, não é lá muito animada!

Emoji: O Filme parece querer flertar com o público adolescente, mas não passa de uma produção primária.

É uma tentativa frustrada de mostrar o mundo das emoções e da necessidade de que precisamos de todas elas. Não se engane, você já viu algo assim e que de fato conseguiu destrinchar esse contexto (Divertidamente que o diga) mas não vamos falar disso.

O faz de conta aqui acontece dentro do celular de um adolescente. O nome do lugar dado como morada dos emojis é Textópolis. Lá vive Gene, que deve fazer a expressão do Emoji meh :-/, porém logo na sua primeira tentativa não consegue cumprir sua missão e por conta disso acha que tem um bug na sua configuração .

E é em busca de uma nova adequação que ele sai numa aventura por dentro de outros aplicativos do celular, com emojis nada convencionais, o mãozinha, um emoji a lá Burro falante (Sherek) ou Sid (Era do Gelo), e uma Emoji bem misteriosa (que se tivessem pensado diferente e elaborado mais um pouco, essa poderia ser a dona da história), e cada qual com seu objetivo mal trabalhado.

O desenho quer passar uma idéia de aventura, amizade e romance, esse último item totalmente desnecessário já que a classificação é livre e consequentemente voltado para o público infantil, insinuar beijo não tem nada de inocente.Criança não namora! Porém, não tem pegada alguma para segurar o público adolescente como planejado inicialmente.

Poderiam surpreender ao menos no final, mostrando que frustrações fazem parte da vida, mas realmente acho que nem era intencional fazer isso.

Aqui fica um pontinho pra trilha, mais uma vez anos 80, você quase pensa que é um desenho do pac-man . Ao menos se você gosta, da uma vontadinha de dançar em determinado momento do filme.

Tente contar uma historinha com os próprios emojis do seu celular, talvez seja mais divertido do que Emoji: O Filme.

Nota: