QpQ Resenha | Em Busca de Vingança

Arnold Schwarzenegger está péssimo em "Em Busca de Vingança", novo suspense dramático

Quando você pensa em um filme de Arnold Schwarzenegger o que vem a cabeça? Um filme de ação, algo cujo o drama não sobrepuja a ação descerebrada, certo? E se eu disser que Em Busca de Vingança gira em torno de um acidente aéreo que nunca é mostrado?

No suspense dramático, um homem (Schwarzenegger) traumatizado busca vingança após ter perdido a esposa e a filha em um trágico acidente de avião causado por negligência de um controlador de tráfego aéreo (Scoot McNairy, de Batman vs Superman – A Origem da Justiça). Inspirado no acidente de Überlingen, cuja maioria dos passageiros era formada por crianças.

A única visão que temos do acidente é o vislumbre de uma tela que mostra dois triângulos que representam ambos os aviões indo de encontro um para o outro até que eles desaparecem completamente do monitor. Não há explosão, gritos, nem passageiros sugados para fora do avião – apenas as consequências e um Schwarzenegger tentando lidar com sua perda familiar.

Em teoria, não ver o acidente deveria não ser um problema. O problema é que os personagens de Em Busca de Vingança precisam lidar com emoções intensas, mas seus atores são limitados e não fazem o público sentir nada, nem pena deles.

É como se Em Busca de Vingança fosse um primo pobre de Sully – O Herói do Rio Hudson, mas aqui nunca conhecemos os passageiros (que não sobrevivem, obviamente).

Talvez uma direção mais talentosa, um roteiro mais coeso ou atores mais capazes de alimentar sentimentos, fariam bem para Em Busca de Vingança. Como não é o caso, vamos apenas comemorar que jamais teremos Em Busca de Vingança 2.

Nota:

Sobre Felipe Sclengmann
Era praticamente impossí­vel que o cinema não acabasse sendo minha paixão. Cresci no prédio onde um cinema funcionava, criado por um avô e uma avó que se conheceram trabalhando no ramo. Então, tá explicado! Falar sobre cinema é um hobbie, uma paixão, tá no meu sangue! Este é o motivo do Quadro por Quadro existir (além de aplicar os conhecimentos de uma graduação em Sistemas de Informação, a qual detesto) e ele está aí para reunir quem também ama esta arte.