10 FILMES | Os melhores terrores de 2017

2017 foi um ano de bons terrores... Separamos os 10 melhores!

Mais um ano acabando, e lá vem aquela listinha que você estava ansioso para conferir: os 10 FILMES de terror do ano! Pra começar devo dizer que o ano foi repleto de surpresas (boas!). Basta dar uma espiadinha na lista de expectativas do finalzinho do ano passado (aqui) pra constatar que a maioria dos filmes listados não está aqui. Se formos analisar por que isso aconteceu, tem uma explicação muito boa: os filmes ligados a franquias, como Amityville: O Despertar, O Chamado 3, Sexta-feira 13 e Olhos Famintos 3 foram bombas (diferente de bombaram) nas bilheterias americanas e alguns vão levar ainda um tempo para pintarem nos cinemas daqui do Brasil (isso se não forem lançados diretamente para outras mídias).

Mas a boa notícia é que muitos outros filmes apareceram pelo caminho, e muitos filmes excelentes! Este ano, na verdade, veio repleto de filmes de terror bons, tão bons que alguns até estão concorrendo a prêmios! Quem sabe teremos filmes de terror concorrendo ao Oscars um dia? <3 Agora chega de blá blá blá e vamos à lista, que eu tentei mais ou menos classificar, mas não rolou muito bem. Eu tenho certeza das três primeiras colocações do ranking, mas a partir disso é tudo uma névoa maligna bem densa onde todos ocupam o mesmo lugar. “Esteje” avisado 😉


MÃE!
(Mother!, 2017, 2h02)

Direção: Darren Aronofsky
Elenco: Jennifer Lawrence, Javier Bardem, Ed Harris e outros

A maior parte das pessoas crucificou Mãe!, e eu ainda estou sem entender direito o porquê disso tudo, mas eu curti muito o filme, independente de que maneira você queira analisar o filme. Se esquecer todo significado que cada cena e personagem possa ter, o filme ainda é um filme foda. E de terror sim, pois viver com visitas que chegam no meio da noite e acabam com a casa que você levou meses para reformar sozinha é um pesadelo mesmo, e só os fortes conseguem dizer que isso é um “drama”.


O BAR
(El Bar, 2017, 1h42)

Direção: Álex de la Iglesia
Elenco: Mario Casas, Blanca Suárez, Carmen Machi e outros

Vou começar falando: a seção de “Originais Netflix” está excelente. Estou viciada. Basta eles me falarem que é “Original Netflix” pra eu entender como um selo de qualidade. E não seria diferente com esta “comédia estrangeira” (quem faz a classificação dos filmes pisa na bola de vez em quando) de deixar você na beira da cadeira. Basicamente, você sai pra viver mais um dia, passa na pani pra tomar um café e boom, mundo de pernas pro ar e você nem sabe se vai chegar em casa pra regar a plantinha.


DEATH NOTE
(Death Note, 2017, 1h41)

Direção: Adam Wingard
Elenco: Nat Wolff, Margaret Qualley, Lakeith Stanfield e outros

Outro “Original Netflix” muito bacana, baseado em um Mangá e que tem um original japonês. De tanto que gostei dessa adaptação americana, corri dar uma espiada no outro. Mas continuo gostando mais dessa versão mais nova. A história é bacaninha, com um garoto encontrando um caderno e podendo brincar de deus ao ter a possibilidade de escrever ali o nome de pessoas que devem morrer, e como devem morrer. E o demônio é divertidíssimo, dando uma equilibrada nos profundos questionamentos e nas mortes horrendas retratadas no filme.


ANNABELLE 2: A CRIAÇÃO DO MAL
(Annabelle: Creation, 2017, 1h50)

Direção: David F. Sandberg
Elenco: Stephanie Sigman, Miranda Otto, Lulu Wilson e outros

Da listinha de expectativas do ano passado, Annabelle 2 estava entre os que eu estava mais ansiosa pra ver e, ufa-socorro-ainda-bem, o filme é bacanérrimo! Melhor ainda que o primeiro, o que normalmente é quase impossível para uma franquia. Quer saber mais? Dá uma espiada na minha resenha (aqui).


FRAGMENTADO
(Split, 2017, 1h57)

Direção: M. Night Shyamalan
Elenco: James McAvoy, Anya Taylor-Joy, Betty Buckley e outros

Depois de A Visita, expectativas a todo vapor para qualquer M. Night Shyamalan que pintar por aí. E ele não decepcionou, minha gente! Shyamalan está com tudo e fez todo mundo morrer de medo de um cara com nada menos que 23 (24?) personalidades. E ao final temos uma conexão com outro filme de Shyamalan. Ahhhhhhhhhh


A AUTÓPSIA
(The Autopsy Of Jane Doe, 2016, 1h30)

Direção: André Øvredal
Elenco: Emile Hirsch, Brian Cox, Ophelia Lovibond e outros

Autópsias não são coisas muito agradáveis, então filmes de terror usam e abusam desse artifício. Bom, e funciona! Então imagina um filme todo sobre uma autópsia? Pois é. E esta aqui está cheia de mistérios e só temos duas pessoas, em uma madrugada chuvosa, para desvendá-los. Leia a resenha aqui.


O ACAMPAMENTO
(Killing Ground, 2016, 1h32)

Direção: Damien Power
Elenco: Harriet Dyer, Mitzi Ruhlmann, Tiarnie Coupland e outros

Vou repetir basicamente o que disse na minha resenha: depois de assistir A Bruxa de Blair e Wolf Creek, quem em sã consciência vai acampar na Austrália? Bom, pelo jeito o casal de protagonistas do filme não viu nenhum dos dois, e se deu mal. Dê uma espiada na minha resenha (aqui) e prepare-se pra um filme tenso!


A) 1922
(1922, 2017, 1h32)

Direção: Zak Hilditch
Elenco: Thomas Jane, Molly Parker, Dylan Schmid e outros

Um nome que foi ecoado muitas vezes no ano foi o de Stephen King. Primeiro por IT: A Coisa, que bombou (e já estou dando spoiler na minha própria lista!!!), e depois por outros projetos, como 1922 e Jogo Perigoso. Tanto que a 3ª posição da minha lista foi subdividida em A e B para abrigar estes dois “Originais Netflix”. Comecemos por 1922, adaptado de um conto do mestre, que conta a história de um homem que quis impedir mudanças em sua vida ao assassinar a esposa. Mas mal sabia ele que mudanças ainda mais drásticas e trágicas se seguiriam. Dá até pra sentir uma peninha desse matador de esposas, só que não. Vale a pena checar o filme.


B) JOGO PERIGOSO
(Gerald’s Game, 2017, 1h43)

Direção: Mike Flanagan
Elenco: Carla Gugino, Bruce Greenwood, Carel Struycken e outros

Outro “Original Netflix”, mais um filme baseado em uma obra de Stephen King. Este aqui acompanha um casal tentando salvar o casamento ao se retirar para uma casa de campo afastada para se conectar ao longo de um final de semana. Só que as coisas não vão da maneira que eles imaginam, na verdade, vão de uma maneira além da imaginação de qualquer pessoa, e a esposa acaba tendo que fazer terapia forçada e confrontar demônios trancafiados há muitos anos.


IT: A COISA
(It, 2017, 2h15)

Direção: Andy Muschietti
Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard e outros

Ai, foi quase impossível decidir quem levava o prêmio de filme de terror no ano, mas, depois de muita análise, IT: A Coisa ficou com o segundo lugar. Que já é um grande feito. A história foi trabalhada de maneira diferente do filme dos anos 1990, o que na verdade é super positivo, pois aquele filme não tinha um roteirinho tão amarrado quanto esta versão recente. E o clube dos perdedores está incrível, estilo Stranger Things. E Pennywise está mais assustador que nunca. E o filme está incrível. Leia minha resenha (aqui, sem spoilers) e veja se ainda não viu.


CORRA!
(Get Out, 2017, 1h44)

Direção: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, Catherine Keener e outros

A primeira colocação foi, inclusive, meu filme preferido do ano. Depois do novo Thor, que assisti duas vezes, Corra! foi visto pela minha pessoa cinco vezes. E cada vez minha opinião sobre o filme melhorava, ainda mais porque comecei a pegar pequenos detalhes que não tinha visto antes. E quanto mais penso sobre o filme e todos os seus possíveis significados, e sobre a qualidade do roteiro, das atuações, da edição, da trilha sonora, etc. etc. etc., fico mais e mais impressionada com o filme. Aqui está minha resenha, e agora espero que o filme saia com um Globo de Ouro no dia 7 de janeiro.


Please follow and like us:
Sobre Melissa Correa
Cinema sempre foi minha maior paixão, sempre fez parte de quem eu sou. Quando criança, eu levantava pra ver filmes de terror de madrugada, escondida. Ficava até três da matina (bendito fuso horário de Los Angeles!!) pra acompanhar o Oscar. E salvava cada centavinho pra ver os filmes no cinema. Hoje também curto viajar, beber café e ler, mas o cinema continua em primeiro lugar na minha vida.