QpQ Resenha | Crash Test Aglaé

“Crash Test Aglaé” mostra as reviravoltas da vida e as boas surpresas que ela pode trazer

Uma história surpreendente é o que se pode esperar do longa Crash Test Aglaè, que a cada cena mostra algo totalmente inesperado.

Para a jovem Aglaè sua rotina é sua razão de existir tanto quanto seu trabalho. Ela atua como técnica de uma empresa automobilística francesa testando carros em colisões e é muito boa no que faz. Um dia, a empresa anuncia seu fechamento, e está prestes a dispensar todos os funcionários a não ser os que aceitem serem remanejados para a nova fábrica, localizada na Índia. A ideia parece absurda, mas para ela, mais ainda é a possibilidade de ficar sem emprego, por isso, Aglaè reúne tudo o que julga necessário para começar uma vida nova e embarca em uma imensa aventura rumo ao país desconhecido.

Difícil dizer qual a melhor parte desse filme que conduz o espectador por uma sequência de imagens, diálogos, interpretações e desfechos tão incríveis. Tudo parece estar no lugar que deveria, na medida certa. Quando não são os personagens, que por si só já despertam o interesse do público com suas peculiaridades, é a trama que se desdobra em cenários e ideias variados e que parecem tão absurdos quanto possíveis.

A personagem principal é inspiradora, aberta a desafios e às mudanças que a vida impõe, mesmo que relutante. A narrativa é cativante, passa aquela ideia de como mesmo as coisas mais difíceis podem ser alcançadas, como o esforço próprio vale a pena, e que podemos nos permitir mudar sem culpa, sem medo.

Crash Test Aglaé é um filme que simplesmente prende a atenção, evoca aquela curiosidade pelo final e não desaponta.

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Thais Wansaucheki
Publicitária descendente de ucranianos que além de cinema nunca dispensa um bom Chai. Como curitibana da gema, aproveito os (raros!) dias de sol andando de bicicleta e os dias de frio com livros, HQs e receitas de doces! Sem falar das horas de conversas com amigos que independem do clima. Adoro balões e sou fã e jogadora incansável de Tetris.