QpQ Resenha | Artista do Desastre

“Artista do Desastre” é uma aula de como virar o jogo e deixar algo ruim extremamente bom

A metalinguagem para contar uma história no cinema nunca foi tão legal! Em Artista do Desastre, James Franco produz, dirige e interpreta um dos melhores filmes de sua carreira, baseado em um dos piores filmes já produzidos. Toda a narrativa perpassa pela história de Tommy (James), um aspirante a ator e cineasta que tem todas as portas do entretenimento fechadas para ele. Junto com seu melhor amigo Greg (Dave Franco), Tommy decide então produzir, dirigir e interpretar o seu próprio filme (vê as semelhanças?). O problema é que nem tudo sai como o esperado…

Poucos filmes conseguem balancear tão bem o conjunto da obra pra você sair inteiramente satisfeito da sessão. Aqui temos um ótimo exemplo disso. Algumas características do longa fazem com que a gente consiga enxergar as coisas mais facilmente e sinta as sacadas geniais da produção, como o fato de que James Franco fez questão de desenvolver as mesmas funções que o criador do filme original desenvolveu (só que dessa vez de forma bem melhor) e também passando pelo fato de que os dois protagonistas são irmãos na vida real, deixando toda a ligação entre eles mais do que real quando colocada em cena.

Não é necessário mais do que 5 minutos para o filme encontrar seu tom. James vai dirigindo e atuando tudo tão bem, que nós espectadores viajamos pela narrativa da forma mais suave possível. E veja bem: ele não só dirige o próprio filme, como também recria perfeitamente muitas cenas do original. É o cinema que está dentro do cinema que está dentro do cinema.

Os atores, os personagens originais, os diálogos e toda a produção são delineados com cuidado, para que o filme siga seu ritmo crescente e, ao final, tenha seu ápice (mesmo que seja com as pessoas zombando das desgraças alheias). Tudo dentro dessa história é sensacional.

A caracterização de tudo é perfeita, os personagens são parecidíssimos com os originais, o elenco funciona muito bem junto e tudo é muito dinâmico. Tommy é uma pessoa tão imprevisível que acaba deixando a atuação de James melhor ainda, rendendo merecidamente o Globo de Ouro para o ator. Ah, também vale dizer que é no mínimo hilária a contradição de ter atores tão famosos fazendo papeis de pessoas que aspiraram a fama e não conseguiram atingir o estrelato.

Artista do Desastre é, sem dúvidas, uma das melhores comédias do ano. Por incrível que pareça, o filme sobre o pior filme já produzido consegue ser muito bom, divertido e, acima de tudo, coeso!

P.S.: Agora ficam os questionamentos: de onde o Tommy é? Onde ele arranja seu dinheiro? Quantos anos ele tem?

Nota:

Please follow and like us:
Sobre Bira Megda
Publicitário em formação, é apaixonado por cinema desde pequeno. Entre suas paixões do mundo cinematográfico, as obras de Steven Spielberg e os romances estrelados por Audrey Hepburn se destacam facilmente (mas não que um filme sangrento dirigido pelo Tarantino seja dispensável). Além disso, ama escrever sobre o mundo pop e colecionar filmes e livros. Por último, mas não menos importante, respira e come tudo relacionado ao universo Harry Potter. P.S.: ele também acha estranho escrever sobre si mesmo em terceira pessoa.