QpQ Resenha | Curtas – Women at War

"Women at War" é uma categoria bem atual

A categoria curtas acaba não recebendo o destaque que merece em alguns festivais. Ainda bem no MyFFF eles têm tanto destaque quanto os longas. Imagina só ter que contar uma história completa em 10 minutos? É para poucos. Então aproveita que aqui você não vai ter a desculpa de não ter tempo pra assistir e confira todos estes curtas incríveis no Festival, divididos em categorias (pra facilitar ainda mais sua vida!).

Women at War (Mulheres na guerra) é uma categoria bem atual. Estamos em guerra, e muitas mulheres, mais do que nunca, estão em plena luta para se posicionar como iguais aos homens em uma sociedade tradicionalmente patriarcal. E esses curtas mostram pequenos exemplos de mulheres nesta guerra, onde às vezes perdem-se batalhas, mas não a guerra.


A Coleção

De todos os curtas do MyFFF, este foi meu preferido. O primeiro personagem que conhecemos já se posiciona como aproveitador, vigarista, sujo. E logo ficamos desconfiados de suas ações. Quando ele vai até o apartamento de uma mulher judia, que mora sozinha com seu pai idoso, logo a categorizamos como frágil, necessitando alguém para salvá-la de uma eventual situação desagradável. E isso só aumenta a tensão deste curta que vai te deixar na beira da cadeira do começo ao fim.

Nota:


Flores

Meus sentimentos foram totalmente manipulados neste curta, mas valeu a pena. A reflexão final é bacana e lembra a gente de como nós, mulheres, somos rápidas em julgar outras mulheres por sua competência ou incompetência como mães. E a mulher é construída de uma maneira que dificulta nosso processo de empatia. Como na vida real, com mulheres reais. Ou seja, bom curta para refletirmos e repensarmos algumas coisinhas.

Nota:


Please follow and like us:
Sobre Melissa Correa
Cinema sempre foi minha maior paixão, sempre fez parte de quem eu sou. Quando criança, eu levantava pra ver filmes de terror de madrugada, escondida. Ficava até três da matina (bendito fuso horário de Los Angeles!!) pra acompanhar o Oscar. E salvava cada centavinho pra ver os filmes no cinema. Hoje também curto viajar, beber café e ler, mas o cinema continua em primeiro lugar na minha vida.