Asas

Clara Bow está hipnotizante neste drama à frente do seu tempo

05.01.1929 │ 08:00

05.01.1929 │ 08:00

Clara Bow está hipnotizante neste drama à frente do seu tempo

Tendo sobrevivido a ser abatido enquanto servia com o Esquadrão Lafayette durante a Primeira Guerra Mundial, William A. Wellman era o diretor ideal para este filme pioneiro de combate aéreo, Asas.

Embora alegue que “guerra é o inferno”, Asas está longe de ser um tratado pacifista,. Em vez disso, é uma aventura que busca exaltar a bravura e o cavalheirismo dos pilotos que fizeram parte da história militar nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial.

A fim de transmitir a visceralidade da sua visão sobre a Guerra, Wellman fez o diretor de fotografia Harry Perry amarrar suas câmeras aos aviões para capturar a perspectiva aterrorizante de um piloto envolvido numa luta em um bombardeio ou a perseguição e destruição de um avião inimigo. É uma ode ao espetáculo, buscando o máximo de realismo possível para aquela época.

Um adendo importante sobre a produção: a Batalha de St. Mihiel foi meticulosamente encenada, com Wellman passando 10 dias coreografando e ensaiando com 60 aviões e 3.500 figurantes. De fato, quem testemunhou as primeiras exibições, em 1928, antecipou as aclamações de autenticidade.

Não há dúvidas de que essas cenas meticulosas ajudaram Asas a garantir o primeiro Oscar de Melhor Filme na história da premiação, já que seu enredo era lamentavelmente romanceado e as atuações bastante inconsistentes.

No entanto, Gary Cooper (Matar ou Morrer) fez seu nome em uma participação especial de dois minutos, enquanto Clara Bow, musa do cinema mudo, entrega uma performance fascinante.

A importância histórica de Asas não deve ser negligenciada. Embora não figure entre os títulos mais populares do cinema mudo, ele é, em muitos aspectos, um super representante da como era a produção cinematográfica no final dos anos 1920, em termos do que se podia ou não realizar. Deixando de lado as óbvias considerações técnicas, ele se mantém surpreendentemente bem com os anos e não seria difícil recomendá-lo para alguém interessado em história do cinema e/ou na Primeira Guerra Mundial.

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro