Criando o Universo Marvel: Guardiões da Galáxia - Quadro por Quadro

Criando o Universo Marvel: Guardiões da Galáxia

28.06.2021 │ 11h02

Da escolha de Peter Quill à reescrita do roteiro por James Gunn - tudo que aconteceu na produção de "Guardiões da Galáxia"

Criando o Universo Marvel é uma série de artigos semanais que investiga o processo de desenvolvimento, produção e lançamento de todos os filmes da Marvel Studios.

A Marvel Studios começou sua história arriscando a sorte. Quando a Marvel Entertainment decidiu autoproduzir seus próprios filmes, eles escolheram Homem de Ferro como a primeira produção, e Homem de Ferro nem era um super-herói incrivelmente famoso ou um brinquedo muito popular na época. A maioria do público em geral não estava familiarizada com o personagem e tinha desconfianças relacionadas ao filme – já havíamos passado por muitos filmes ruins de super-heróis naquela época. Mas a aposta da Marvel valeu a pena, e então eles jogaram a sorte novamente com Os Vingadores, apostando que o público investiria num filme estrelado por personagens de outros filmes separados. Isso também valeu a pena, mas a Marvel decidiu dar mais um grande salto em 2014 com Guardiões da Galáxia, um filme de super-herói ambientado no espaço, estrelado por um guaxinim falante e uma árvore gigante. O resultado? Um dos filmes mais influentes do século 21.

Embora Guardiões da Galáxia não tenha sido feito até meados da década de 2010, foi na verdade uma das primeiras adaptações da Marvel Comics que a Marvel Studios começou a desenvolver. Quando a Marvel Studios começou a fazer seus próprios filmes, eles criaram um programa de roteiro no qual os escritores desenvolveriam adaptações de quadrinhos que podiam ou não ser produzidas. Um desses roteiros em andamento foi Guardiões da Galáxia, que a escritora Nicole Perlman selecionou a partir de vários quadrinhos disponíveis para adaptação:

“Podíamos escolher de uma lista de meia dúzia de propriedades que eles tinham e que eram propriedades menores da Marvel. Não havia garantia de que esses projetos seriam realizados. E havia propriedades nessa lista que eram muito mais conhecidas, coisas que as pessoas tinham ouvido falar. Mas eu vi Guardiões da Galáxia … E eu peguei.”

A Marvel viu uma grande oportunidade em Guardiões da Galáxia para expandir o Universo Cinematográfico Marvel pós-Vingadores rumo ao reino cósmico, que por sua vez ofereceria um portal para a eventual história da Guerra Infinita e introdução de Thanos.

Perlman passou dois anos desenvolvendo o roteiro, durante os quais ela recebeu liberdade criativa para explorar as possibilidades relacionadas aos Guardiões da Galáxia:

“É incrível, olhando para trás, quanta liberdade eu recebi. Talvez porque fosse meio rebuscado, essa ideia de que esse projeto seria realmente escolhido para ser produzido, na qual eu realmente recebi uma quantidade enorme de liberdade criativa, de uma forma que não acho que você obtenha muito dos estúdios. Eles disseram, basicamente, ‘Aqui estão os quadrinhos. Crie uma boa história. Escolha os personagens de que você gosta e continuaremos brincando com isso.'”

Perlman escolheu os Guardiões da Galáxia – Peter Quill, Gamora, Drax, o Destruidor, Rocket Raccoon e Groot – mas o principal vilão na maioria de seus rascunhos era Thanos. Isto é, até que a Marvel decidir que queria deixar Thanos para depois.

Depois de deixar Guardiões por um período (o programa de escritores era um contrato exclusivo durante o qual os escritores não tinham permissão para trabalhar em projetos externos), a Marvel trouxe Perlman de volta em 2011 para fazer uma temporada de seis meses como redatora freelance, antes que o projeto tivesse um diretor, mas Perlman diz que ela sempre soube que seu roteiro seria reescrito:

“Eu sempre soube que eles iriam trazer um diretor-roteirista. Esse sempre foi o plano. Não sou uma roteirista de comédia, e precisava ser um projeto de comédia. Tipo, esse é um projeto que sempre foi irreverente. Sempre foi irônico. E essa sempre foi a questão.”

Essa questão foi respondida no início de 2012, quando a Marvel contratou James Gunn para reescrever e dirigir Guardiões da Galáxia. Gunn foi uma escolha improvável, já tendo feito produções extremamente sombrias e um tanto perturbadoras como Seres Rastejantes e Super, mas ele também tinha uma experiência como escritor dos live-actions de Scooby Doo, além do remake de Zack Snyder, Madrugada dos Mortos. Também na corrida para comandar Guardiões da Galáxia na época estava o futuro diretor de Homem-Formiga, Peyton Reed, e os futuros cineastas de Capitã Marvel, Anna Boden e Ryan Fleck, e sua eventual contratação pela Marvel é uma prova de como o estúdio gosta de conduzir os negócios. Só porque algo não deu certo da primeira vez, não significa que o cineasta ou ator ainda não está no páreo para um projeto futuro da Marvel.

Então Gunn começou a retrabalhar o roteiro de Perlman a sua maneira, um assunto que acabou se tornando um tanto polêmico quando o filme foi um sucesso. Oficialmente, o roteiro é creditado a Gunn e Perlman, mas Gunn minimizou o papel de Perlman em uma entrevista ao Buzzfeed:

“‘Ela definitivamente deu o pontapé inicial’, disse ele. ‘O conceito original estava lá, era mais ou menos como está no filme, e depois há a história e os personagens – eles foram praticamente recriados por mim.'”

Ele finalmente foi além, expressando seu descontentamento com a arbitragem do Sindicato dos Roteiristas, sugerindo que ele teria preferido que Perlman recebesse um crédito de argumento em vez de um crédito de roteiro completo:

“No roteiro de Nicole, tudo era bem diferente … a história era diferente, não há Walkman, os arcos dos personagens são diferentes, não se trata da mesma coisa. Mas é assim que o Sindicato funciona. Eles gostam muito dos primeiros escritores.”

É importante notar que em agosto de 2012, foi relatado que a Marvel estava contratando Chris McCoy para reescrever o roteiro de Perlman, mas McCoy não recebeu nenhum crédito pelo filme finalizado e não está claro quais contribuições ele fez, se houve alguma.

O presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, descreveu as contribuições de Perlman e Gunn assim:

“Muito do que a história tinha sido – pelo menos o essencial estava no rascunho de Nicole Perlman, no material adicional que tínhamos depois disso, sobre o qual conversamos com Gunn. A formação dos personagens era essencialmente a mesma e a estrutura geral era quase a mesma. Não me lembro agora exatamente o que era diferente. O Walkman certamente veio de James, e toda a história e os diálogos que você vê agora no filme também.”

Feige também observou que Yondu foi obra de Gunn:

“Eu acho que no rascunho inicial, todos os Guardiões se encontram pela primeira vez na prisão, ao invés de se encontrarem em Xandar, o que os levou a ir para a prisão, que era o que James queria. Thanos e o papel de Ronan foram alterados um pouco ao longo do tempo. Yondu veio totalmente do James, a história de Peter tendo sido criado essencialmente por Yondu e os Ravagers veio toda do James.”

Quando Gunn começou a reescrever o roteiro de Perlman, ele acrescentou o personagem de Nebula, abandonou Thanos como o vilão principal em prol de Ronan e acrescentou o personagem de Yondu como um contrabandista e a figura paterna de Peter Quill. Gunn admitiu, no entanto, que escrever as cenas de Thanos foi difícil, pois elas eram claramente algo mais importante para a Marvel estabelecer as bases para Vingadores: Guerra Infinita:

“Havia pressão em Thanos porque você está mostrando um personagem gigantesco que, de certa forma, não faz parte do seu filme. Sua presença realmente não servia para estar entre os Guardiões, e ter Thanos naquela cena foi mais útil para o universo Marvel do que para Guardiões da Galáxia. Sempre quis ter Thanos lá, mas do ponto de vista estrutural, você não precisa dele. Então, é parte disso, além do fato de você estar montando um personagem incrivelmente poderoso, você não quer menosprezar o verdadeiro antagonista do filme, que é Ronan. Você não quer que ele pareça um grande babaca. Então, como você faz isso funcionar?”

Guardiões da Galáxia se tornou famoso por sua excelente trilha sonora, e Gunn na verdade escreveu muitas das canções no roteiro. Quanto a como ele escolheu o que incluir, foi um processo de tentativa e erro:

“Comecei o processo com as paradas da Billboard para todos os maiores sucessos dos anos 70. Baixei algumas centenas de músicas e, com isso, criei uma playlist no iTunes com cerca de 120 músicas, que se encaixavam no tom do filme. Eu ouvia a playlist em meus alto-falantes pela casa – às vezes, ficava inspirado para criar uma cena em torno de uma música, e outras vezes eu tinha uma cena que precisava de música e ouvia na playlist, visualizando várias músicas, descobrindo que funcionaria melhor.”

Enquanto Gunn continuava a aprimorar o roteiro, a escalação do elenco começava. O papel de Peter Quill foi o mais difícil, com atores como Joel Edgerton, Jack Huston, Eddie Redmayne, Jim Sturgess e Lee Pace, que acabou interpretando Ronan, testando para o papel. Outros atores considerados incluíam Joseph Gordon-Levitt, Zachary Levi, Garrett Hedlund, James Marsden e Michael Rosenbaum, mas no final foi Chris Pratt quem saiu com o papel – embora ele quase não o tenha conseguido. Em uma situação semelhante a como Chris Hemsworth se tornou Thor, Gunn inicialmente recusou a sugestão de Pratt, que na época era mais conhecido por trabalhos para TV como Everwood: Uma Segunda Chance e O.C.: Um Estranho no Paraíso e estava estrelando Parks & Recreation: Confusões de Leslie. De fato, quando Pratt fez o teste, ele tinha ganhado muito peso para seu papel em De Repente Pai, mas prometeu que poderia se preparar a tempo para filmar o longa da Marvel. Ele conquistou Gunn e os produtores do filme, e o resto é história.

Zoe Saldana logo foi escolhida como Gamora, mas o papel de Drax tornou-se uma espécie de competição entre Jason Momoa e Dave Bautista. Este último acabou conseguindo o papel, mesmo que Momoa fosse o ator “mais quente” na época, saindo de sua passagem por Game of Thrones.

As filmagens de Guardiões da Galáxia começaram em julho de 2013 em Londres e duraram até outubro. Como isso cruzou com a programação de produção de Parks & Recreation, Pratt teve que obter permissão da NBC para ficar de fora alguns episódios do sitcom. Mas isso deu ao showrunner Michael Schur a ideia de fazer uma abertura da temporada em duas partes em que os personagens visitassem Londres, então Pratt foi capaz de filmar cenas para a estreia da temporada enquanto ainda estava filmando Guardiões da Galáxia. Quanto à forma como o sitcom explicou o físico repentino de Andy, ele menciona que simplesmente parou de beber cerveja.

Curiosamente, a produção avançou sem três papéis principais escolhidos: Rocket, Groot e Thanos. No set, Gunn Sean Gunn, irmão ator do diretor, interpretou o papel de Rocket, para que ele pudesse interagir com os outros personagens. Isso foi além do papel do ator como Kraglin.

A Marvel supostamente explorou a escalação de Jim Carrey ou Adam Sandler para o papel de Rocket, querendo um ator famoso para o papel, dada a falta de grandes nomes no elenco principal, mas no final Bradley Cooper foi escalado. Vin Diesel posteriormente conseguiu o papel de Groot, e quando a Marvel começou a explorar o futuro do UCM, eles abordaram Josh Brolin para interpretar Thanos. Feige explicou como ele foi escalado:

“Entramos em contato com ele e foi uma daquelas coisas que não acontecem o tempo todo, mas quando acontece é muito bom, ele ficou totalmente intrigado. Ele era um fã do que fazíamos, ele se encontrou com Jeremy Latcham em um hotel em Londres e aprendeu um pouco sobre os personagens. Falei com ele ao telefone algumas vezes. Nós falamos pro James que amou, Joss [Whedon] que amou porque Thanos está neste universo por causa dos Vingadores. Então nós o filmamos.”

Guardiões da Galáxia chegou aos cinemas em 31 de julho de 2014, que tradicionalmente não era um grande fim de semana para os sucessos de bilheteria. O filme mudou isso (e muito mais), pois estreou com um valor enorme de US$ 94,3 milhões e acabou arrecadando US$ 773,3 milhões em todo o mundo. Este se tornou o terceiro filme de maior bilheteria da Marvel até ali – não sendo uma sequência, nem um filme dos Vingadores, mas o início de uma franquia inteiramente nova – foi uma prova do burburinho em torno do filme. Os críticos adoraram, o público adorou e seu legado se tornaria importante para o Universo Cinematográfico Marvel.

Na verdade, o sucesso de Guardiões da Galáxia deu à Marvel a confiança para se tornar um pouco mais idiossincrática com seus filmes dali pra frente, permitindo que roteiristas/diretores ultrapassem os limites do que um filme do UCM poderia ser (dentro do razoável). Ele introduziu o lado cósmico de uma forma ampla e, em retrospectiva, podemos ver como foi o primeiro passo em direção aos aspectos mais estranhos de filmes como Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato.

Mas a produção também teve influência no mundo do cinema. Da mesma forma que Batman Begins lançou uma onda de “reinicializações realistas” de personagens existentes, Guardiões da Galáxia serviu como modelo para um tipo diferente de ficção científica ou filme de equipe. Um que poderia ser descaradamente estranho, bobo e cheio de personalidade. Não é nenhum segredo que a Warner Bros. olhou para a produção como influência em seu próprio “filme estranho de equipe” – Esquadrão Suicida -, e eu diria que, em termos de narrativa de ficção científica, Guardiões da Galáxia terá o mesmo impacto influente sobre os jovens cineastas – e a paisagem cinematográfica como um todo – que Star Wars teve quando foi lançado.

Então, sim, você pode dizer que Guardiões da Galáxia se saíram bem. E quando a excêntrica aventura espacial de James Gunn entrou na pós-produção, a Marvel começou a filmar sua aguardada sequência Vingadores: Era de Ultron, e esse processo criativo foi uma história muito diferente. Na próxima semana, falaremos sobre o filme que quase quebrou Joss Whedon.

Confira os textos do especial Criando o Universo Marvel já publicados:

Você também pode gostar…

  • Leia mais
    Liga da Justiça Parte 1: A Jornada do Snyder Cut
    23.03.2021
  • Leia mais
    Os 10 Filmes de terror mais aguardados de 2018
    26.12.2017
  • Leia mais
    Review WandaVision Episódio Final
    10.03.2021
Quadro por Quadro