Por que o Snyder Cut é tão importante para a cultura nerd?

18.03.2021 │ 11h51

Liga da Justiça de Zack Snyder foi lançado hoje pela HBO Max e está disponível para aluguel digital no Brasil

Carregado de polêmicas, enxurradas de críticas e uma pressão absurda vinda tanto do público, da crítica e do próprio estúdio, o diretor Zack Snyder viveu o pior e o melhor momento de sua carreira desde 2016. Escolhido pela Warner para ser o cabeça do Universo Estendido da DC, o cineasta que já havia garantido um sucesso estrondoso com 300 e foi imensamente elogiado por seu trabalho na difícil missão de adaptar Watchmen para os cinemas, teve seu legado tomado à prova com o ambicioso filme Batman vs Superman, que juntaria os maiores heróis da história da cultura pop em uma aventura épica muito conhecida e apreciada nos quadrinhos.

Foi nas tradicionais convenções dos Estados Unidos, como a Comic Con de San Diego, que os painéis da DC reuniram seus nomes criativos mais importantes, de 2014 a 2016, para anunciar que o futuro da marca seria promissor e que muitos filmes seriam produzidos a partir daí, começando por Batman vs Superman e a partir daí seriam lançados os filmes da Mulher Maravilha, Flash, Aquaman, Ciborgue e Batman. Geoff Johns, responsável pela reformulação dos quadrinhos da DC com os Novos 52, foi um dos nomes que comandariam o caminho narrativo alinhado à visão de Snyder. Acontece que a visão do diretor é muito particular e muito à frente de sua época. Indo em contramão de sua maior concorrente, a Marvel, que arquitetava um universo colorido, cheio de humor e pouco complexo, a DC se viu obrigada a intervir nesse planejamento. Isso depois da recepção barulhenta de Batman vs Superman nos cinemas. O público não estava preparado para um embate de gladiadores e uma história tão pesada como a que foi contada, mas como o próprio Snyder mesmo já havia declarado, tudo isso era um processo iniciado lá em O Homem de Aço e que sua Liga da Justiça seria um sopro de otimismo para os deuses da DC.

Mesmo sendo motivo de adoração absoluta e também de chacota envolvendo a solução pouco refinada do embate entre Batman e Superman, a Warner manteve sua estratégia de seguir com a Liga da Justiça de Zack Snyder, porém com algumas ressalvas. As filmagens eram supervisionadas pelos produtores, executivos e outras pessoas da Warner para deixar o filme menos sombrio, porque a sombra do resultado controverso de Batman vs Superman incomodava muito o estúdio. Mesmo com toda essa pressão e uma explosão iminente, é possível ver nos vídeos recentes de bastidores, que tanto o diretor quanto o elenco de Liga da Justiça se divertiram muito e o ambiente era colaborativo e leve. Isso é uma das características mais marcantes de Zack Snyder, um cara super animado, empolgado, sorridente, que pouco combina com suas histórias de luto e pós heroismo.

O apoio de Ben Affleck, Henry Cavill, Gal Gadot, Ezra Miller, Ray Fisher e Jason Momoa ao amigo e diretor, o qual eles mostram até hoje muita admiração e respeito, não foi suficiente para sustentar as inúmeras intervenções do estúdio sobre as criações de Snyder e junto a isso, veio a notícia trágica de que sua filha Autumn Snyder, que lutava contra a depressão, havia se suicidado. Esse foi o limite para que Zack deixasse a direção do filme para ficar mais próximo da família. E nem assim ele teve sossego, porque muitos diziam que ele havia sido demitido pela Warner e não que havia pedido demissão. Eis que a solução criada pela Warner para cobrir esse gap na direção foi chamar Joss Whedon para finalizar o filme e fazê-lo do jeito que o estúdio pretendia. Whedon é conhecido em Hollywood por consertar roteiros, muito antes de se tornar o diretor de Vingadores. Na época, o cineasta e roteirista estava trabalhando num projeto inicial de um filme da Batgirl para a DC, que por fim não vingou.

O que vimos a partir daí foi uma mudança brusca de estratégia e uma Liga da Justiça que havia perdido sua essência intendida. Mesmo com tanto hate em volta de Zack Snyder, essa troca criativa deixou todo mundo com um nó na garganta, sendo fã dele ou não. Whedon comandou refilmagens desgastantes para o elenco e equipe e mostrou um comportamento abusivo, machismo e racismo durante todo o trabalho, segundo acusações de Ray Fisher, o Ciborgue. Mas isso só viria à tona anos depois. O filme foi lançado e mesmo com os fãs esperançosos, o saldo foi insatisfatório. O filme tinha mais cara de retalho que Esquadrão Suicída, lançado um ano antes e nenhuma das cenas que foram refilmadas, pareciam casar com nada. Sem falar da polêmica do bigode de Henry Cavill. O ator, que estava no meio das filmagens de Missão Impossível, não pôde retirar a barba para as refilmagens da Liga da Justiça por obrigações contratuais, o que fez a Warner desembolsar mais grana para apagar o bigode digitalmente, e bem, acho que você lembra como ficou, né?

Com tantos problemas a serem enfrentados na vida pessoal e profissional, Snyder ganhou o apoio dos fãs que se viram desrespeitados pelo tratamento da Warner com o filme de Liga da Justiça e iniciaram uma campanha na internet chamada Release The Snyder Cut, ou Lance o Corte do Snyder. Essa campanha, como muitas outras parecia algo pequeno e uma ação de fãs fervorosos que não daria em nada e não chamariam a atenção de nenhum executivo, não para se levar a sério. Foi então que o já anunciado filme do Batman, estrelado e dirigido por Ben Affleck, perdeu seu astro e Affleck deixou o projeto que foi parar nas mãos de Matt Reeves. Sem planos para continuar esse Universo Estendido da DC nos cinemas, a Warner preferiu continuar com o que tinha dado certo, como Mulher Maravilha, Aquaman e apostar em novidades como Shazam. Mas a campanha continuava ganhando mais e mais força.

Outdoores na Time Square e anúncios por vias públicas de várias cidades no mundo, faziam o Snyder Cut virar trending topics e também lenda. A adoração messiânica ao diretor Zack Snyder virou história e uma daquelas coisas impossíveis de acontecer, mesmo tamanho esforço e magnitude de adesões à causa. Outro fato importante dessa jornada é lembrar que os fãs, não só pediam pela versão de Snyder da Liga da Justiça, mas também enxergaram o ser humano por trás dos emaranhados da indústria. Tudo isso tinha muito a ver com a tragédia pessoal na família de Snyder e uma campanha para a conscientização da saúde mental foi criada, arrecadando fundos para ajudar instituições a prevenir o suicídio. Essa corrente foi muito além do filme e tomou uma proporção social, mostrando que ser nerd vai muito além de ser consumidor de cultura pop.

Ao ver o entusiasmo dos fãs, o diretor começou a incentivar o movimento pelas redes sociais, divulgando imagens inéditas das filmagens de sua Liga da Justiça, se mostrando totalmente aberto a finalizar e lançar o filme lendário. Foi também com postagens de Gal Gadot, Ray Fisher e Jason Momoa nas redes sociais em apoio ao Snyder Cut, que as pessoas começaram a olhar para o movimento com mais seriedade, até que a Warner enxergou uma oportunidade. Os serviços de streaming estão em alta e a HBO Max estava nos planos de expansão do grupo, mas as projeções definiam um crescimento baixo, já que a plataforma não tinha nenhum lançamento em vista, mas tinha esse nó na garganta de Liga da Justiça para ser desembaraçado. Com muito orgulho ferido, mas de olho no prêmio, a Warner anunciou que o Snyder Cut iria de fato acontecer.

O mesmo luto e busca por esperança que uniu os heróis em Liga da Justiça, foi refletido no público que batalhou pelo seu objetivo de trazer justiça à visão de Zack Snyder e dar-lhe a chance de concluir um projeto tão estimado e querido por todos nós. Foi um momento histórico para a cultura nerd. A vitória dos fãs. Um marco na história do cinema. Um desfecho que significa muito mais do que um filme, mas o que esses personagens e atores representam para o mundo. Como é bonito de ver as reações empolgantes e a energia transbordando um sentimento de dever cumprido. O filme lançado hoje, 18 de março, é uma celebração, um épico totalmente novo, de uma qualidade muito acima da versão lançada nos cinemas. A experiência de quatro horas de duração, dividida em 6 capítulos, é otimista, tem cenas de ação que só o Snyder sabe fazer como ninguém, não se apressa em materializar uma nova era de heróis atrelada às tradições dos quadrinhos. Um grande presente aos fãs da DC.

 

Você também pode gostar…

  • Leia mais
    Os melhores 10 Filmes alternativos de 2017
    26.12.2017
  • Leia mais
    Review WandaVision Episódio Final
    10.03.2021
  • Leia mais
    Comemore o aniversário de John Carpenter em grande estilo
    16.01.2016
Quadro por Quadro