Manchester à Beira-Mar

"Manchester à Beira-Mar" é sobre um homem comum profundamente atormentado pelo passado

19.01.2017 │ 10:44

19.01.2017 │ 10:44

"Manchester à Beira-Mar" é sobre um homem comum profundamente atormentado pelo passado

Há alguma máxima popular sobre o passado nunca ficar realmente sedimentado, mas ser algo que retorna de tempos em tempos para nos lembrar de como chegamos onde estamos atualmente. Em Manchester à Beira-Mar, do diretor estadunidense Kenneth Lonergan, a ruptura de um homem comum, diante de erros corriqueiros da vida, é elevada à máxima potência a ponto do protagonista ficar definido para sempre pela angústia dos erros fatais do passado.

Lee Chandler (Casey Affleck) é um homem sem expressão, comum e frio. Como zelador de edifícios, se mantém ocupado boa parte do tempo e não demonstra ter nenhum interesse além da ocupação diária. Os clientes reclamam de seus modos, da grosseria e da frieza com que trata as pessoas apesar do trabalho bem feito. Ao receber uma ligação, dizendo que seu irmão sofreu um ataque do coração, Lee parte em rumo à Manchester (a americana, em New Hampshire) e a partir desse momento seu passado irá atormentar cada passo dado de volta à cidade natal.

Esse passado é desencadeado com a perda do irmão e essa reconstrução dá ritmo ao roteiro de Manchester à Beira-Mar. O personagem de Casey Affleck vai dando respostas para suas atitudes vazias e frias. Não que ele esteja reprimindo sentimentos, mas é mais sobre como sofreu mudanças tão extremas que se tornou impossível apenas deixar as coisas fluírem. Ele prefere se punir diante de uma vida miserável e sem sentimentos do que acreditar que pode encarar, e até mesmo superar, o passado.

Manchester à Beira-Mar é um filme bastante masculino, as mulheres aqui estão sempre na terra firme enquanto que estar à beira-mar distrai os homens. Na cena inicial, os dois irmãos e o sobrinho pescam juntos e se divertem, o longa é basicamente a exploração dessa relação. Não são mostrados como espécie de ídolos ou super-homens (em um sentido mais filosófico), mas eles aprendem de várias formas a se relacionarem entre si e inclusive se protegerem. Não é uma relação de um ponto de vista machista, de apenas uma irmandade masculina, mas de uma forma de encarar a vida de forma autônoma e humana, com acertos mas também com muitas falhas.

Há vários elementos de cena que se relacionam bem com o roteiro de Kenneth Lonergan. O próprio clima da região sugere um condicionamento, dando ainda mais força para a situação dos personagens e seus comportamentos. O frio extremo – os corpos enrijecidos – é como uma metáfora para a vida de Lee Chandler. Mas, apesar da construção tensa, da intenção dramática, Manchester à Beira-Mar tem vários alívios cômicos de diálogos, inclusive tornando-os mais corriqueiros ao espectador.

Apesar da boa performance de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar, é impossível não adentrar no assunto da impunidade, da forma que Hollywood encobre os casos de violência sexual e machismo no seu meio. É perturbador pensar que o protagonista de um filme como esse, com tantas temáticas e camadas sensíveis esteja respondendo por acusações sérias de abuso e assédio. Esse tipo de situação deve ser mencionado, mesmo que tentemos separar o trabalho da vida pessoal, pois é praticamente impossível nos desfazermos de nossas experiências quando assistimos às histórias propostas em tela.

Manchester à Beira-Mar é um filme que se constrói com a premissa de nos causar empatia à humanidade dos personagens. Pessoas comuns imersas em seus erros e acertos, em busca de retratações, nem que sejam as que elas mesmas se impõem. O longa é mais sobre pessoas e suas trajetórias humanas ao longo da vida, através de um roteiro que vai desvendando as feridas de cada um, muito próximo das formas que lidamos com as nossas próprias.

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro