Resenha │ Annabelle

05.06.2016 │ 10:02

"Annabelle" não é bem uma Brastemp do terror, mas entrega vários sustinhos e segura até o fim

Acompanhe a cena (cardíacos podem abandonar a resenha agora!): o casal Mia e John Gordon dorme tranquilamente. De onde a câmera está, conseguimos ver, pela janela, a casa do vizinho. Tudo está tranquilo até que ouvimos um barulho e o casal da outra casa acende as luzes. Vemos que o marido levanta e vai ver o que está acontecendo, enquanto a esposa pega o telefone e faz uma ligação. De repente, sangue espirra no vidro e um homem avança em direção à mulher, que grita. As luzes se apagam e Mia senta na cama, assustada. Ela está grávida. Ela acorda o marido, que vai até a casa vizinha ver o que está acontecendo. De repente, John emerge da casa coberto em sangue, e manda a esposa correr para dentro de casa, trancar a porta e chamar uma ambulância. Mia faz o que o marido pede, mas no meio do processo é surpreendida por uma estranha, que pegou uma das bonecas de sua coleção (você até já imagina qual, né) e está em um canto, escondida. Quando tenta se afastar, Mia é agarrada por um homem, que a esfaqueia.

Comecinho sangrento da história de Annabelle, a famosa boneca que hoje em dia fica em uma sala protegida na casa dos Warren (quer ver a cara da fulana na vida real? Dá uma espiada aqui), né não?! E fica muito pior… o filme, que não foi dirigido por James Wan (ele só trabalhou na produção de Annabelle), não é tão incrí­vel como Invocação do Mal, mas é bem bonzinho. Ele acompanha o casal Mia (Annabelle Wallis, sim, Annabelle, você leu direitinho!), que está grávida, e John Gordon (Ward Horton). Bem no começo do filme, John dá mais um item para a coleção da esposa: uma estranha e rara boneca (mas até que bonitinha, se é que dá pra dizer que Annabelle foi um dia bonitinha…). Depois que o casal é atacado por lunáticos de uma seita satânica, coisas estranhas começam a acontecer com Mia e Lia, o bebê do casal. Será que a mulher está ficando maluca, sofrendo de depressão pós-parto ou algo assim, ou está mesmo sendo assombrada por uma boneca horrorosa?

O filme, uma mistura de O Bebê de Rosemary (1968) e Brinquedo Assassino (1988), entrega bons sustinhos, com destaque pra cena em que Mia está no depósito do prédio, e pra cena, de parar o coração, em que ela vê Annabelle no berço. Mas o roteiro do filme não é tão amarradinho, e algumas pontas ficam soltas. Além disso, a direção deixou a desejar (ou será que estamos ficando mal-acostumados com o estilo de James Wan?), e a edição não é tão dinâmica quanto a de Invocação do Mal. Mesmo assim, o filme até que é bacana.

Uma das coisas que curti muito foi o visual do padre no filme: quando Mia vai atender a porta e espia pelo olho mágico, observamos o sacerdote em sua vestimenta preta, com chapéu na cabeça. Algo como em O Exorcista (se bem que nesse filme observamos o padre quando desembarca de um táxi, antes de subir a escadaria até a casa de Regan, a menina possuída). E depois vemos esta cena mais uma vez, mas com o padre (ou algo imitando o padre) de costas para a porta.

Também gostei muito da forma como Annabelle foi utilizada no filme. A coisa toda poderia ficar estilo Brinquedo Assassino, ou seja, idiota. Mas a boneca foi sabiamente utilizada e, na maior parte das cenas em que ela é o centro das atenções, vemos uma mulher, uma criança, mas dificilmente uma boneca correndo pela casa atrás de Mia (ainda bem!).

Vale a pena conferir o filme. Ele é muito melhor que muitos por aí­, mas não é incrível. Vai te dar um sustinhos, com certeza, e de repente vai te incentivar a doar sua coleção de bonecas pra ONG mais próxima da sua casa 😉

Annabelle

(Annabelle)
País: Estados Unidos
Direção: John R. Leonetti
Roteiro: Gary Dauberman
Elenco: Annabelle Wallis, Ward Horton, Alfre Woodard
Ano: 2014
Duração: 1h38

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro