Resenha │ De Amor e Trevas

05.05.2016 │ 12:01

Natalie Portman estreia como diretora com De Amor e Trevas. Seu nome atrai holofotes para a obra, mas igualmente relevante é o nome de Amos Oz, personagem biográfico e autor do livro homônimo no qual o filme se baseia.
01DeAmoreTrevas
Além de dirigir a adaptação, Portman assina o roteiro e estrela o filme, atuando como a mãe do jovem Amos, um rapaz inocente, de bom coração, que admira o espírito livre de sua mãe. Fania (Portman) sonhava casar-se com algum jovem e vigoroso revolucionário, mas abandona sua alegre vila ao casar-se com Arieh, um aspirante escritor, e fixa residência em Jerusalém. A melancólica cidade, que sangra com as disputas entre israelenses e palestinos, vai constantemente murchando seu ânimo. A mãe, ora afetuosa, sempre disposta a contar parábolas para entreter e educar seu filho, vai afundando-se em depressão. Amos assiste a essa derrocada, com sua admiração inabalada pela figura materna.
03DeAmoreTrevas
Portman, que desde seus treze anos demonstra seu talento e capacidade de atuação, apresenta uma perspectiva interessante sobre uma história densa. Fiquei intrigado pelo primeiro terço do filme, em especial pela abertura, por sua abordagem poética e ritmo sem pressa. Entretanto, em alguns momentos, a estrutura narrativa parece adoecer do mesmo problema que aflige Fania, o que talvez ilustre uma perspectiva mais consistente para Natalie como diretora do que roteirista. Como atriz, a beldade continua seduzindo e encantando a audiência.
04DeAmoreTrevas
De origem israelense, Natalie é fluente em hebreu e não surpreende com o tema de seu debut na direção, mas amplia sua projeção artística assumindo também papéis do outro lado da câmera.
05DeAmoreTrevas
Em tempo: a última cena interpretada por Natalie é bela e poética, e cheia de significados!
Nota:

[wpdevart_youtube]T_KJ9rKqysA[/wpdevart_youtube]

De Amor e Trevas

()
País:
Direção:
Roteiro:
Elenco:
Ano:
Duração:

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro