Resenha │ Os Agentes do Destino

16.05.2011 │ 15:15

“Os Agentes do Destino” é um thriller romântico onde o romance não é o principal foco de atenção. Em vez de toda as emoções e excitações dignas de um romance, o filme consegue um feito bastante notável: questionar o sentido da vida, mesclando o cotidiano banal de nossas vidas com a magia de uma ótima ficção científica.
Baseado em um conto de Philip K. Dick, o filme poderia ser uma verdadeira bagunça, um erro. Mas a faísca existente entre os personagens de Matt Damon e Emily Blunt justifica a premissa romântica a qual está carregada com um vasto suspense filosófico. E como não podia deixar de ser, tratando-se de Dick, o leque de ideias existenciais, em parte já abordados em “Show de Truman”, por exemplo, está presente.
São abordadas aqui ideias sobre o livre-arbítrio, o poder das pessoas enquanto sociedade, o destino e nosso potencial para mudá-lo, enquanto o filme mostra um Deus cruel e um anjo da guarda benevolente.
Afirmações um tanto abstratas, de um filme que, no geral, tem um sentido bastante cerebral para um blockbuster americano. O que deve ter afugentado a plateia junto com seu final um tanto quanto anticlimático. Nolfi (o diretor) faz aqui uma viagem empolgante, que tenta divagar sobre questões da mente humana.

Os Agentes do Destino

()
País:
Direção:
Roteiro:
Elenco:
Ano:
Duração:

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro