Resenha │ Somos o que Somos

28.11.2013 │ 20:24

O filme “Somos o que Somos” me surpreendeu, tenho que dizer. Não que o trailer tenha me vendido uma história diferente, porque me recuso a assisti-lo antes de ver o filme – depois até posso dar uma espiada nele. Mas é que pelo jeitão dos primeiros minutos do filme eu realmente achei que estava embarcando em um drama.
Bem, o filme de Jim Mickle, remake de um filme mexicano homônimo de 2010, não deixa de ser um drama. Mas é o tipo de drama em que suspense e terror reinam absolutos. E olha, algumas cenas são até meio indigestas.
Não vou falar nadica de nada que revele o grande segredo da família Parker, composta pelo pai fanático religioso e obscuro Frank (Bill Sage), as duas filhas Iris (Ambyr Childers) e Rose (Julia Garner), e o pequeno Rory (Jack Gore), além da recém-falecida matriarca Emma (Kassie DePaiva), cuja morte desencadeia os eventos que levam a um certo desequilíbrio na tradicional e muito reservada família.
O filme já começa com uma chuva densa e incômoda, mostrando pra você como este filme vai ser cinza e deprimente. Acompanhamos então Emma em uma viagem à mercearia, onde conferimos de perto um porco sendo fatiado e carne sendo triturada em um moedor. No ritmo de uma cidade pequena, em que tudo parece ainda funcionar como acontecia séculos atrás, e ao som da chuva incessante, o diretor vai dando o tom, mostrando muito pouco por vez. Uma pista aqui, outra ali. Mas quando o segredo é revelado, você fica sem chão. E depois disso, o filme entra em um ritmo frenético de inquietantes descobertas, e os personagens escancarando seu lado mais sombrio.
Jantares à luz de velas, com os personagens vestindo roupas no estilo usados por seus antepassados – esta família curte manter suas tradições, custe o que custar! –, além de porões mal iluminados e personagens que falam muito pouco fazem com que você entre no clima gótico desta história de terror bem contada e de arrepiar os cabelos. Como você não sabe ao certo o que vai acontecer até o último minuto do filme – e ainda sai do cinema se perguntando se isso acabou mesmo –, se prepare para assistir a um filme que prende a sua atenção, apesar do ritmo lento quando comparado a outros filmes de suspense/terror, e que vai te deixar pensando sobre diversos aspectos da história por um bom tempo.
Indicação: Pra quem gosta de terror, um prato transbordando! Não é indicado pra quem não curte filmes com uma porcentagem (mesmo que pequena) de gore. Não é recomendado para primeiros encontros ou sessões de domingo 😉

Somos o que Somos

()
País:
Direção:
Roteiro:
Elenco:
Ano:
Duração:

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro