American Crime Story: The People v. O.J. Simpson

Série recria o veredito que marcou a história dos EUA.

07.04.2016 │ 07:00

07.04.2016 │ 07:00

Série recria o veredito que marcou a história dos EUA.

O julgamento do século, como ficou conhecido, não poderia ter tido maior relevância que essa para o mundo. Estamos inseridos num contexto onde poder e fama possuem uma magnitude não palpável e que se mantém muito distante das pessoas, por mais populares que sejam. Nesse caso, lotado de controvérsias e espetáculo estapafúrdio, as vidas envolvidas no crime do século, também não seriam mais as mesmas depois do tribunal.


Em 1994, uma das maiores celebridades dos EUA, O.J. Simpson, ex-jogador de futebol americano, ator de filmes, comerciais e empresário, tinha o mundo em suas mãos, e um descontrole em sua mente. Após vários episódios públicos de má conduta, desde atrair a jovem de 18 anos, Nicole Brown, que futuramente viria a ser sua esposa e depois assassinada, até as agressões verbais e fí­sicas a mesma, que já a levaram a ficar internada no hospital.

Entre fatos e espetáculos, a nova série do produtor Ryan Murphy (American Horror Story, Glee, Scream Queens) The People vs. O.J. Simpson: American Crime Story, retrata com detalhes o circo que foi formado em torno do julgamento do ex-jogador como principal suspeito pela morte de sua ex-esposa Nicole e de um garçom chamado Ron Goldman, que estava na casa de Nicole.


Baseado no livro de Jeffrey Toobin, The Run of His Life, o programa foca bastante em todas as pessoas que viveram esse processo e tudo que esses, agora personagens, também enfrentavam na vida pessoal numa época decisiva como essa. É difí­cil não odiar o personagem de Courtney B. Vance e ao mesmo tempo amá-lo por interpretar o carismático e apelativo advogado Jhonnie Cochran com tanta precisão e competência. Outro forte destaque é Marcia Clark, a promotora de acusação interpretada pela brilhante Sarah Paulson, que virou sensação na época, levantando seu nome em revistas de fofoca e até crí­ticas sobre seu vestuário e cabelo. Um nome familiar para a audiência dessa década é Robert Kardashian (David Schwimmer), que muitos conhecem como o patriarca do trio bilionário da TV americana, Kim, Kourtney e Khloé Kardashian. Ele era amigo pessoal do acusado junto com sua ex-esposa Kris, a matriarca e administradora do império midiático das filhas.


A série expõe seu ponto de vista através das reações e percepções de seus personagens, principalmente Robert Shapiro (John Travolta) que mostra plena convicção da culpa de seu cliente no assassinato duplo. Afinal, todo mundo sabe que ele matou Nicole e Ron, não há dúvidas sobre isso.


Obviamente que um julgamento como esse não poderia passar batido pela mídia, que engoliu violentamente o ocorrido e se aproveitou tanto dos fatos quanto dos envolvidos, que também tiraram seu proveito com entrevistas em talk shows e programas populares da tarde, onde discutiam ao vivo se O.J. era culpado ou não. Mas, além desse teatro fora do tribunal, dentro não era diferente, já que a manipulação da equipe do astro, manipulava seu público para um novo embate além do povo contra Simpson, havia agora os brancos contra os negros. Essa cartada foi crucial para tornar o evento emocional e mostrar a situação da comunidade negra em Los Angeles que passava por assédios policiais violentos. Tudo isso tirou a atenção do assassinato.


Essa é uma série imperdí­vel, que se mostra corajosa o bastante para intrigar e surpreender mesmo com uma história que as pessoas já conhecem. Rica em detalhes de cenário, objetos e também com uma direção preocupada com veracidade de seus atores, American Crime Story nos faz lembrar de uma história que não pode ser esquecida.

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro