Passando dos Limites

Filme entrega narrativa cinematográfica moderna com atuações imperdíveis de Tessa Thompson e Lily James

06.06.2021 │ 19:06

06.06.2021 │ 19:06

Filme entrega narrativa cinematográfica moderna com atuações imperdíveis de Tessa Thompson e Lily James

Tessa Thompson começou sua carreira praticamente em Quando um Estranho Chama, fazendo as vezes da melhor amiga da protagonista. De lá pra cá, sua ascensão em Hollywood tem sido surpreendente. Com um dos principais papeis na série Westworld e também na pele de Valquíria no Universo Marvel. Acontece que dentre todos esses trabalhos, talvez o que mais se destaque seja Charlotte de Westworld, que desafiou a atriz num nível um pouco mais elevado de atuação. Ainda assim, seu espaço na indústria se mostra promissor e com muitos projetos paralelos que se afastam do mainstream, como é o caso de Passando dos Limites.

O filme, escrito e dirigido por Nia DaCosta, fala sobre a história de duas irmãs Deb (Lily James) e Ollie (Tessa Thompson) que trabalham fora da lei para conseguirem vidas melhores. É então que conhecemos a personagem da incrível Lily James. A estrela, que começou a ficar famosa no papel de Cinderela, da Disney, provou sua versatilidade em muitos outros trabalhos, como na sequência da Mamma Mia, que talvez seja a performance mais deliciosa de assistir da atriz. Aqui, ela prova mais uma vez que seu rostinho bonito rende mais do que um simples colírio para os olhos. É ela também quem dita o ritmo do filme, já que concentra a maior parte da problemática que a trama carrega e isso dá mais chance para seu personagem desabrochar.

A produção se rotula como um western moderno, o que acaba deixando as coisas um pouco confusas, porque o filme é apenas um drama familiar que lida com ações criminosas de um ponto de vista diferente, o das mulheres. Simplista como parece, Passando dos Limites evolui aquela ideia clássica de parceria estilo Thelma e Louise, mas sem o charme e a vaidade do filme dos anos 90. Mesmo sendo por motivo de sobrevivência e desespero, o olhar da diretora sobre as protagonistas chama a atenção para situações realistas de machismo e não segura o freio até a cena final. O melhor, é que quando você menos espera, está vidrado no filme e não consegue mais parar, mas calma, porque isso leva pelo menos uns 20 minutos, então não desista, porque a sessão é bem decente e o filme entrega uma história crua sem grandes reviravoltas, mas que se mantém honesta à proposta de enaltecer suas atrizes principais e mostrar um roteiro que parece baseado em situações reais.

Você também pode gostar…

  • Leia mais
    Amanhã e Todos os Outros Dias
    16.01.2019
  • Leia mais
    As Férias do Pequeno Nicolau
    25.12.2014
  • Leia mais
    Você Merece Amar
    11.01.2021
Quadro por Quadro