Judas e o Messias Negro | Quadro por Quadro

Resenha │ Judas e o Messias Negro

25.02.2021 │ 15:00

"Judas e o Messias Negro" é um filme que mostra como 'minorias' são historicamente oprimidas desde sempre

Assistindo Judas e o Messias Negro, sem saber ainda muito sobre os Panteras Negras – tudo que sabia vinha de filmes americanos retratando principalmente o período da Guerra do Vietnã –, a primeira pergunta que me veio foi, “e se eles tivessem mantido todo esse esforço para uma vida digna da população negra?”. Com todo racismo que continuamos vivendo, 60 anos depois do período em que os Panteras Negras começaram seu movimento.

O herói da história, Fred Hampton, interpretado por Daniel Kaluuya (Corra, Queen & Slim, onde o ator viveu o papel de um jovem negro sofrendo com o racismo), é um jovem – jovem mesmo, o cara tinha apenas cerca de 21 anos no período retratado no filme – determinado a ajudar a comunidade negra de Chicago. E ele faz de uma maneira exemplar: juntando grupos distintos que se unem pelas reivindicações sociais.

Mas minorias organizadas geram olhares muito atentos do governo, e foi o que aconteceu. Assim que Fred começa a se destacar, o FBI – que declarou em 1968 que os Panteras Negras eram “a maior ameaça à segurança interna americana” – ficou na cola do moço, e tentou destruir o líder do grupo chicaguense a todo custo.

Vários filmes já retrataram a luta do povo negro – e outros de outras minorias –, e cada um nos revela alguma aspecto de anos de batalha, tanto armada quanto política. É frustrante, na maior parte das vezes, ver esses filmes, pois não têm finais felizes hollywoodianos – basta olhar pra nossa realidade hoje, que parece até pior que há 60 anos, quando a maior parte desses movimentos estava iniciando. Mas é necessário.

Necessário porque sempre aprendemos algo e, com um pouco de inteligência e maturidade, lutaremos para que as coisas melhorem e a história não se repita. E, acima de tudo, apoiaremos as minorias, e daremos lugar de fala, e respeitaremos o próximo, acima de tudo.

Ah, e antes que eu me esqueça: o filme é dinâmico, empolgante e cheio de suspense. Tem tiros também, e perseguição. E mentiras, e romance, e amor, e esperança. Caso você ache que não vale assistir o filme pelos outros temas importantes que listei.

Judas e o Messias Negro

(Judas and the Black Messiah)
País: EUA
Direção: Shaka King
Roteiro: Will Berson, Shaka King
Elenco: Daniel Kaluuya, Lakeith Stanfield, Martin Sheen
Ano: 2021
Duração: 2h06

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro