Rio Corgo

10.06.2016 │ 17:48

10.06.2016 │ 17:48

Um conto que se perdeu no vento. Essa é impressão de Rio Corgo. O personagem principal conduz a narrativa com seus gestos simples e mostra que isso é mais do que necessário para se contar uma história.
Silva se instala em uma casa abandonada em uma pequena vila de Portugal. De aparência marcante, com botas, terno e um sombreiro bordado, ele capta a atenção de uma menina disposta a ouvir sobre as aventuras que viveu.
corgo 1
A pequena cena em plano sequência logo de início foi a perfeita abertura. Mostra que algo está para acontecer. O ritmo, mesmo que lento durante todo o filme, condiz com o ambiente apresentado: uma vila, poucos moradores, dias marcados pelo sol, pelas tarefas cotidianas. Existe um pequeno mistério em relação a personalidade de Silva que vai se desenrolando pouco a pouco e contando detalhes de seu passado. Com essas informações podem ser feitas suposições sobre quem ele foi, o quanto viajou e porque leva a vida do jeito que leva, de forma meio cigana, como alguém que não se prende a um lugar e não se cansa de viver histórias novas. Seja por costume ou preferência.
corgo 2
A curiosidade que o filme deixa nas cenas é o destaque de Rio Corgo, se tiver oportunidade, não perca o filme.
Nota:

[wpdevart_youtube]SAUpNNC1Fsc[/wpdevart_youtube]
Varilux

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro