Grace de Mônaco

28.10.2015 │ 18:38

28.10.2015 │ 18:38

Grace de Mônaco indubitavelmente seria um filme controverso. Os herdeiros da atriz/princesa declararam inúmeras vezes que a representação em tela passou longe de um retrato fiel de sua família. Além disso, o diretor Olivier Dahan (Piaf – Um Hino ao Amor) teve problemas para acertar o corte final do longa com o produtor Harvey Weinstein.

01GracedeMonaco
Tendo estas realidades em mente, o espectador poderia se preparar para o pior. Mas o filme não é tão ruim quanto se esperava. É absurdo, mas tem seus méritos como um conto de fadas moderno (como o roteiro nos lembra diversas vezes ao longo da projeção).

O filme não é uma cinebiografia de Grace Kelly, mas sim um relato ficcional de um período de sua vida, que combina uma crise conjugal com o fato dela desejar retornar para Holywood graças a um convite de Hitchcock para atuar em Marnie.

02GracedeMonaco
Nicole Kidman (As Aventuras de Paddington) dá o seu melhor no papel título, mas no fim das contas o filme se preocupa mais em vesti-la com trajes luxuosos do que aprimorar as nuances dramáticas da personagem que ela retrata.

Tim Roth (O Incrível Hulk), por outro lado, é a melhor coisa do filme. Seu desempenho como o príncipe Ranier é discreto e ele se mostra um homem preso em seus próprios sonhos de modernização de seu país, face a ameaça de uma invasão francesa ao seu território.

03GracedeMonaco
O filme seria melhor se assumisse seu gênero como um drama político ao invés de um desfile de Grace preparando o plano mestre que salva a nação de seu marido. É um longa superficial, mas se você tiver isto em mente ao assisti-lo, não é um desastre completo.

Nota:

[wpdevart_youtube]lXUNRtnZoww[/wpdevart_youtube]

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro