O Grande Motim

Laughton e Gable brilham em "O Grande Motim", uma das cinco versões da história a chegar aos cinemas

12.01.1936 │ 08:00

12.01.1936 │ 08:00

Laughton e Gable brilham em "O Grande Motim", uma das cinco versões da história a chegar aos cinemas

O fato de O Grande Motim ter sido filmado cinco vezes é um testemunho da popularidade da história do filme. Além da versão de 1935 (que vamos falar aqui), indiscutivelmente a melhor, há uma versão australiana muda, de 1916, há uma versão com Errol Flynn (As Aventuras de Robin Hood), dois anos antes deste ganhador do Oscar. Em 1962 houve a versão com grande potencial desperdiçado, estrelada por Marlon Brando (O Poderoso Chefão) e Richard Harris (o primeiro Dumbledore, da franquia Harry Potter). E por último a versão de 1984, que conta com Mel Gibson (Coração Valente) e Anthony Hopkins (O Silêncio dos Inocentes), e possui, segundo relatos, um ritmo irregular, apesar dos eventos mais precisos historicamente.

A versão de 1935, foi uma adaptação do livro de Charles Nordhoff e James Norman Hall, em vez de uma tentativa de representação de um registro histórico. É um filme de aventura ambientado em alto mar. A produção e a atuação do elenco são de qualidade para a época e o filme se sustenta até mesmo para os padrões modernos.

A temática ressoa até hoje: quando é legítimo derrubar a autoridade porque ela ultrapassa os limites da razão e da decência? Assunto que teve especial importância para quem vivia na época do lançamento do filme. A Primeira Guerra Mundial ainda não era uma memória distante e o cenário global levaria a uma guerra ainda maior pelos próximos anos.

A história conta a jornada do H.M.S. Bounty, de Portsmouth ao Taiti, em 1787, para obter plantas que seriam transplantadas para as Índias Ocidentais como alimento barato para escravos. O comandante do navio, William Bligh (Charles Laughton, de Spartacus), é odiado pela maioria de sua tripulação por suas maneiras desumanas de disciplina e sua atitude severa e intransigente. Por outro lado, seu primeiro oficial, Fletcher Christian (Clark Gable, de …E o Vento Levou), é visto como um líder nato e justo.

O filme acompanha a relação entre Bligh e Christian tornando-se cada vez mais turbulenta durante a viagem. A situação se acalma um pouco quando o navio ancora no Taiti: Christian passa a maior parte do tempo na costa, até acabando por se casar com uma nativa (Mamo). Assim que a viagem de volta se inicia, no entanto, o conflito entre Bligh e Christian implode, resultando em um grande motim. Bligh e aqueles que lhe são leais são colocados à deriva (com suprimentos) em um barco salva-vidas enquanto o H.M.S. Bounty zarpa de volta para o Taiti. Incrivelmente, Bligh sobrevive à longa e árdua jornada a Timor (nas Índias Orientais Holandesas) e é capaz de retornar ao Pacífico Ocidental a bordo do H.M.S. Pandora em uma expedição encarregada de encontrar o H.M.S. Bounty e trazer os amotinados de volta à Inglaterra.

O Grande Motim ficcionaliza alguns fatos. Em particular, transforma Bligh (que geralmente é bem visto pelos livros de história) em um assassino, a fim de tornar Christian mais justo e fornecer uma razão mais convincente para o motim. No filme, o motim não é tratado como um grande crime, mas um meio para derrubar um tirano. Do ponto de vista da narrativa, a abordagem é até correta. O Grande Motim é um drama envolvente com herói e vilão óbvios.

O filme foi agraciado com um barco de indicações ao Oscar: Filme, Diretor, três para Ator, Edição, Trilha Sonora e Roteiro. A única estatueta que ganhou foi de Melhor Filme (um feito e tanto, uma vez que eram 12 indicados na categoria naquele ano).

Os colunistas de fofocas ficaram bastante ocupados durante a produção, com relatos de conflitos entre Laughton (homossexual assumido) e Gable (que tinha notas de ser homofóbico, apesar de fofocas dizerem que ele teve um encontro homossexual no final da década de 1920). Na verdade, esses relatos de conflitos serviram para aumentar a bilheteria do filme, assim como o tema do homem justo contra o tirano. A adaptação foi bem recebida pela crítica e pelo público. Ao contrário de muitos filmes de ação/aventura realizados na época. O Grande Motim resiste bem ao teste do tempo, em grande parte graças a atuação de Laughton e Gable, cujos nomes estão gravados na história do cinema como grandes estrelas e eles brilham no filme.

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro