Esteros │ Resenhas: Quadro por Quadro

Esteros

"Esteros" prova que se aceitar gay é uma tarefa árdua, seja onde for

28.07.2017 │ 07:57

28.07.2017 │ 07:57

"Esteros" prova que se aceitar gay é uma tarefa árdua, seja onde for

Se aceitar gay e sair do armário ainda é uma tarefa árdua, seja numa metrópole ou no interior do interior da Argentina. Esteros elucida um pouco do assunto e o faz com base nos personagens de um curta metragem do estreante Papu Curotto.

Esteros fala de sexualidade reprimida através do reencontro de dois amigos de infância que reaviva sentimentos tidos como esquecidos por ambos.

No filme, Matias e Jeronimo são dois grandes amigos que cresceram juntos em Paso de Los Libres, uma região simples na Argentina. Durante sua adolescência, surgiu uma inesperada atração sexual entre eles, que viveram os sentimentos com a curiosidade da descoberta. Mas a vida acabou separando seus destinos. Após anos afastados, eles lidam de maneiras totalmente distintas com as lembranças do passado. Mas, quando os dois se reencontram, o sentimento renasce e confronta todos os tipos de conflitos.

O filme transita tranquilamente entre a infância e a juventude de Matias e Jeronimo para construir as personas de ambos. Enquanto meninos, eles parecem apenas querer se divertir, mas quando adultos seus anseios mudam e a discussão toma uma profundidade maior.

A fotografia de Eric Elizondo captura vividamente o clima da região norte da Argentina, onde o filme se passa, e colabora para que a relação dos personagens se aprofunde. Há uma beleza na paisagem que fala muito também sobre as suas descobertas.

Apesar da introspecção que Curotto quer passar com Esteros, o filme consegue encantar com uma simplicidade que só o cinema argentino parece possuir com naturalidade. Vale a pena conferir!

Você também pode gostar…

Quadro por Quadro