Resenha │ O Conto dos Contos

12.05.2016 │ 18:15

"O Conto dos Contos" mostra um mundo visual, narrativo e imaginativo, rico e feio em suas texturas

Depois de Gomorra, uma abordagem autêntica sobre a vida de bandidos italianos, em 2008, Matteo Garrone se distanciou sutilmente da verossimilhança. Mesmo o seu Reality – A Grande Ilusão, de 2012, uma sátira de humor negro sobre os reality shows televisivos, tinha elementos de surrealismo dentro dele. Mas foi com o seu mais recente O Conto dos Contos, uma série de três contos de fadas inspirados pelo folclorista Giambattista Basile, que Garrone deixa de vez o mundo real para trás.

Este é um mundo de ogros, monstros marinhos, adivinhos e magia, onde a transformação e o implausí­vel – uma pulga de estimação do tamanho de um porco; uma velha murcha pode se tornar uma bela donzela jovem; gêmeos albinos nascem de diferentes mães – são comuns.

Se não te apetece que contos mágicos e irrealistas sejam apresentados como verdade, O Conto dos Contos não é um filme para você. Mas para aqueles de nós que não ligam para isso, Garrone cria um mundo de texturas tanto ricas quanto feias – visual, narrativa e imaginativamente falando – que te transporta, envolve, encanta e perturba em suas passagens.

O elenco é impecável, para começar. Garrone parece ter escolhido para os papéis principais apenas atores cujas caracterí­sticas fí­sicas se prestam muito bem à fantasia. Como o trio de reis renascentistas, o qual essas histórias acompanham, temos Vincent Cassel, John C. Reilly e Toby Jones, que fazem uso extremo de suas fisionomias para transmitir um senso de “outro mundo” durante o filme todo. Detalhes como um nariz adunco, uma testa proeminente ou até mesmo uma baixa estatura, trazem uma sensação intensificada de estranheza que faz muito bem à estética proposta por Garrone.

Entre o elenco principal, cabe apenas a Salma Hayek, como a rainha de John C. Reilly, o tí­tulo de convencionalmente bonita. Porém, sua alma e ações são totalmente distorcidas e as mais feias entre os três, por assim dizer.

Hayek interpreta uma rainha estéril cujo desejo de ter um filho a leva a assumir riscos perigosos. Depois de seguir as instruções terrí­veis de um necromante, ela é finalmente capaz de gerar uma criança, porém sua camareira dá à luz simultaneamente ao “gêmeo” do menino. Posteriormente, a rainha expulsa o “filho bastardo” – apesar do fato deste se tornar o melhor amigo do filho “verdadeiro”.

Há muitos temas em jogo dentro de O Conto dos Contos, todos reconhecí­veis a partir da literatura de contos de fadas: maus pais, irmãos rivais, amor verdadeiro (e desejo), barganhas com o diabo, obsessão e lealdade. O diretor mescla todos eles magistralmente, ao longo das três histórias que deleitam através do grotesco, tanto quanto do belo, encontrando até mesmo um certo fascí­nio com o feio. Estas não são histórias para antes de dormir, a menos que você queira dar pesadelos às crianças.

Se há uma falha em O Conto dos Contos é que suas histórias terminam abruptamente. Uma em um final quase feliz, outra nem tanto, enquanto a última termina em uma ambivalência em sua renúncia ao destino. Assista-o! Pense sobre ele! Talvez a real moral da coisa toda seja que não há finais felizes para sempre, afinal.

O Conto dos Contos

(Il Racconto dei Racconti)
País: Itália, França, Reino Unido
Direção: Matteo Garrone
Roteiro: Edoardo Albinati, Ugo Chiti
Elenco: Salma Hayek, Vincent Cassel, Toby Jones
Ano: 2015
Duração: 2h14

Você também pode gostar…

  • Leia mais
    Busca Implacável 3
    22.01.2015
  • Leia mais
    Um Brinde à Vida
    12.05.2016
  • Leia mais
    Orange Is The New Black - 5ª Temporada
    13.06.2017
Quadro por Quadro