Lançamentos: Confira os lançamentos da semana de 18/12/2014



O ABUTRE

Jake Gyllenhaal (O Segredo de Brokeback Mountain) está indicado ao Globo de Ouro por O Abutre, que chega agora aos cinemas brasileiros.

Sinopse: Enfrentando dificuldades para conseguir um emprego formal, o jovem Louis Bloom (Jake Gyllenhaal) decide entrar no agitado submundo do jornalismo criminal independente de Los Angeles. A fórmula é correr atrás de crimes e acidentes chocantes, registrar tudo e vender a história para veículos interessados.

Confira o trailer:


Leia nossa resenha sobre o filme, por Adam George Fischler.



A NOITE DA VIRADA

A comédia nacional, A Noite da Virada, estreia nos cinemas agora, próximo a noite da virada.

Sinopse: Durante uma festa de Réveillon na casa de Ana (Julia Rabello) e Duda (Paulo Tiefenthaler), o banheiro é o foco de todas as fofocas e polêmicas. É onde Duda confessa à esposa que vai deixá-la pela vizinha Rosa (Luana Piovani), que, por sua vez, leva um casamento bem monótono com Mario (Marcos Palmeira). É também onde Alê (Luana Martau) conta a Ana suas aventuras sexuais com o namorado (João Vicente de Castro), e onde um convidado traficante (Taumaturgo Ferreira) faz os seus negócios. Na noite da virada do ano, tudo pode acontecer.

Confira o trailer:




UMA LONGA VIAGEM

A comédia nacional, A Noite da Virada, estreia nos cinemas agora, próximo a noite da virada.

Sinopse: Durante uma festa de Réveillon na casa de Ana (Julia Rabello) e Duda (Paulo Tiefenthaler), o banheiro é o foco de todas as fofocas e polêmicas. É onde Duda confessa à esposa que vai deixá-la pela vizinha Rosa (Luana Piovani), que, por sua vez, leva um casamento bem monótono com Mario (Marcos Palmeira). É também onde Alê (Luana Martau) conta a Ana suas aventuras sexuais com o namorado (João Vicente de Castro), e onde um convidado traficante (Taumaturgo Ferreira) faz os seus negócios. Na noite da virada do ano, tudo pode acontecer.

Confira o trailer:


Leia nossa resenha sobre o filme, por Felipe Sclengmann.



AS DUAS FACES DE JANEIRO

Kirsten Dunst (Homem-Aranha), Viggo Mortensen (O Senhos dos Anéis) e Oscar Isaac (Sucker Punch) estão na adaptação do suspense As Duas Faces de Janeiro.

Sinopse: Nos anos 1960, o jovem casal Chester e Colette decide fazer uma viagem de barco à Grécia. No local, eles conhecem Rydal, um guia americano que fala grego e decide ajudá-los no passeio. O que eles não sabem é que Rydal é conhecido por aplicar golpes nos turistas... Mas Chester e Colette também têm os seus segredos, e certa noite, quando o guia decide visitá-los em seu quarto de hotel, descobre o cadáver de um homem que Chester afirma tê-lo atacado. Sem saber como sair da situação, Rydal ajuda a remover o corpo. Logo, o trio acaba envolvido em um crime do qual não pode mais fugir.

Confira o trailer:


Leia nossa resenha sobre o filme, por Felipe Sclengmann.



O UNIVERSO GRACILIANO

O documentário de Sylvio Black sobre Graciliano Ramos estreia agora nos cinemas.

Sinopse: Um panorama da vida e da obra do autor Graciliano Ramos, falecido em 1953, e responsável por grandes livros da literatura brasileira, como "São Bernardo", "Vidas Secas", "Angústia", "Infância" e "Memórias do Cárcere". O filme combina diversos materiais de arquivo com entrevistas de pessoas próximas ao escritor.

Confira o trailer:




O SEGREDO DOS DIAMANTES

O Segredo dos Diamantes, aventura brasileira que se passa no interior de Minas Gerais, estreia agora nos cinemas.

Sinopse: Ângelo (Matheus Abreu) e seus pais viajam para a casa da avó do jovem (Manoelita Lustosa), no interior de Minas Gerais, mas no caminho sofrem um acidente de automóvel. Por mais que Ângelo não tenha tido qualquer ferimento, sua mãe (Dira Paes) machuca seriamente a perna e o pai entra em coma, devido a um traumatismo cerebral. Diante da situação, Ângelo fica na casa da avó. A grande notícia das redondezas é a descoberta de um pequeno baú cheio de moedas e um manuscrito com um enigma, supostamente deixado por um padre que, 200 anos antes, teria escondido um punhado de diamantes. Decidido a encontrá-los para pagar a cara cirurgia que seu pai precisa fazer, Ângelo conta com a ajuda de seus amigos, Julia (Rachel Pimentel) e Carlinhos (Alberto Gouvêa).

Confira o trailer:


Resenha: "O Abutre" cutuca a ferida da mídia sensacionalista em um dos melhores filmes do ano



Não é fácil escrever sobre um filme como O Abutre. Assim como é difícil escrever sobre um filme ruim, o oposto também o é. O mais impressionante é a sensação que ele passa, de que estamos assistindo a algo que transpira realidade, cutucando a ferida da mídia sensacionalista e do enorme público que dá audiência a esse tipo de coisa, expondo o lado perverso de uma sociedade cada vez mais anestesiada com a violência televisiva e dormente com o estado real das coisas.



Jake Gyllenhaal interpreta Louis Bloom, alguém que se acha esperto demais para trabalhar como o resto dos mortais e vive de roubar dos outros para dar a si mesmo. Ao deparar-se com uma dupla de cinegrafistas filmando um acidente no meio da noite, ele percebe que pode transformar aquilo em sua fonte de renda e, por que não, prazer.



Com diálogos cínicos até a medula e a interpretação magistral de Gyllenhaal, o diretor mergulha o espectador na mente perturbada deste improvável anti-herói, fazendo com que nos preocupemos com seu destino ainda que sem gostar ou aprovar seus métodos de trabalho.

Primoroso do ponto de vista técnico e conceitual, O Abutre é o primeiro trabalho de Dan Gilroy como diretor e nos leva a crer que teremos ótimas surpresas pela frente. Ao lado de Garota Exemplar, é provavelmente o melhor thriller de 2015.

Resenha: "Uma Longa Viagem" reafirma o potencial da humanidade para o bem



Uma Longa Viagem conta a história real de Eric Lomax, um rapaz que desde muito cedo é obcecado por trens. Ironicamente, durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi capturado junto com seu regimento, enviado para a Tailândia e forçado a participar da construção da estrada de ferro Burma-Sião (o projeto tirânico que tirou a vida de 250 mil homens durante sua execução).



O filme, baseado nas memórias do próprio Lomax, detalha a notável história de como ele foi torturado nas mãos de um jovem oficial japonês e sua busca por esse oficial anos mais tarde após o fim da guerra.

De tempos em tempos, surgem histórias de guerra que reafirmam o potencial para o bem da humanidade, mesmo nas circunstâncias mais terríveis, e essa história – que intercala a vida de Lomax adulto, com flashbacks durante a guerra – o faz com uma mensagem bastante simples e transcendente.



A direção de Jonathan Teplitzky se engrandece nos talentos de Colin Firth e Jeremy Irvine como Eric Lomax. Nos segmentos pós-guerra, vemos Firth se apaixonando por Patti (Nicole Kidman) e suas participações em reuniões de veteranos de guerra liderados por um antigo colega (Stellan Skarsgård). Já para Irvine, a carga dramática é outra. Para ele compete as cenas mais diretas, retratando os prisioneiros de guerra e a forma como eram tratados pela força japonesa.

O filme, embora bem realizado, não é tão memorável quanto a história que se propõe a contar. Isso se deve por Firth não estar envolvido na parte central da trama (os flashbacks), tirando nossa ligação emocional com os eventos que acontecerão no futuro do personagem. Não quer dizer que os flashbacks sejam mal realizados, pelo contrário, Irvine entrega uma atuação condizente com a de Firth e causa o estranhamento desejado com o início do filme, no qual temos uma linda sequência em que Lomax tenta desajeitadamente conquistar Patti.



Felizmente, o clímax do filme, onde Lomax descobre pistas sobre o oficial japonês, é de um potencial dramático respeitável e, os créditos finais, com fotografias dos reais personagens da história, comovem de maneira inenarrável.

O filme é desigual em sua condução e, embora não seja excepcional, conta uma história importante e mantem a mensagem que prega desde o início. Por essa razão, merece a devida atenção.

Resenha: Anti-heróis tentam ser o mote de "As Duas Faces de Janeiro", mas não cativam



Anti-heróis são regra na cultura pop. A velha batalha entre o bem e o mal evoluiu para uma luta entre o moralmente comprometido e os verdadeiramente desprezíveis. Muito antes de True Detective e Dexter, a romancista Patricia Highsmith escreveu uma série de romances policiais estrelada por tais protagonistas anti-heroicos. Highsmith escreveu Pacto Sinistro e O Talentoso Ripley na década de 50 e logo após, nos anos 60, ela escreveu As Duas Faces de Janeiro, que chega agora aos cinemas brasileiros.



Fiel à forma, pelo que se fala do livro, todos os três personagens principais têm uma fraqueza para atividades ilegais. O ano é 1962, e Chester e Colette (Viggo Mortensen e Kirsten Dunst) são um casal americano que incitam a imagem perfeita de casal romântico curtindo as férias em Atenas. A primeira vista eles parecem estar se divertindo em torno da Acrópole com seus chapéus característicos da época, mas essa não é exatamente uma viagem de lazer. Na verdade, eles estão fugindo de alguns investidores irritados que concederam dinheiro a Chester.

Nesse passeio inicial eles conhecem Rydal (Oscar Isaac), um guia turístico americano que também tem uma habilidade com sedução, e através dessa sedução consegue algumas pequenas quantias de dinheiro de outras pessoas. A atenção de Rydal se volta para o casal, e quem poderia culpa-lo? Chester parece endinheirado e pronto para gastar, além de se assemelhar com seu recém-falecido pai. Enquanto Colette, parece querer algo mais com o guia turístico.



A “órbita” do casal logo suga Rydal, que acaba se envolvendo como cúmplice nas atividades ilícitas de Chester. O grupo acaba fugindo juntos e a trinca está formada. O estresse do relacionamento entre os personagens e as faíscas entre os três levam, praticamente, a delírios paranoicos.

Até aqui, pela descrição, tudo soa sedutor e aprazível. O problema é que os personagens não são nada interessantes. O público não é atraído por anti-heróis cujos quais não conhece as motivações. O público quer retratos complicados que provoquem emoções conflitantes. Ele quer saber o motivo da corrupção do anti-herói e, assim, acabar torcendo por seu código moral singular. Mas Chester, Colette e Ryan não são particularmente complexos, nem, tão pouco, apaixonantes. O resultado da fuga deles, ao longo de exuberantes locações, é tão importante quanto o resultado do jogo de futebol de um time de quinta divisão.



Acaba que, As Duas Faces de Janeiro, não possui a emoção necessária para que nos envolvamos com sua trama, não oferece ligação nenhuma com seus protagonistas e/ou sua jornada e se perde no pouco que acaba acertando. Um suspense no qual o único suspense é o motivo de o terem produzido.

Bilheteria Brasil - 11/12 a 14/12: O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos estreia no topo



Como esperado, "O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos" estreou no topo das bilheterias nacionais.

Confira o ranking:

1º - O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS


RendaPúblicoRenda Total
R$ 15.574.122 1.045.137 R$ 16.897.751


2º - JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA - PARTE 1


RendaPúblicoRenda Total
R$ 2.829.201 241.171 R$ 51.564.639


3º - DEBI & LÓIDE 2


RendaPúblicoRenda Total
R$ 1.569.622 131.501 R$ 32.777.254


4º - OUIJA: O JOGO DOS ESPÍRITOS


RendaPúblicoRenda Total
R$ 1.269.793 98.394 R$ 1.305.804


5º - QUERO MATAR MEU CHEFE 2


RendaPúblicoRenda Total
R$ 1.204.472 92.351 R$ 5.478.527


6º - CAÇADA MORTAL


RendaPúblicoRenda Total
R$ 743.781 61.221 R$ 3.568.244


7º - AS AVENTURAS DE PADDINGTON


RendaPúblicoRenda Total
R$ 638.315 55.438 R$ 2.900.769


8º - INTERESTELAR


RendaPúblicoRenda Total
R$ 277.231 19.012 R$ 16.494.127


9º - RELATOS SELVAGENS


RendaPúblicoRenda Total
R$ 266.664 18.169 R$ 4.006.604


10º - HOMENS, MULHERES & FILHOS


RendaPúblicoRenda Total
R$ 227.222 14.623 R$ 868.968

Bilheteria EUA - 12 a 14/12: Êxodo: Deuses e Reis tirou Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1 do topo da bilheteria americana



Êxodo: Deuses e Reis tirou Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1 do topo da bilheteria americana no seu fim de semana de estreia.

Confira o ranking:

1º - ÊXODO: DEUSES E REIS


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$24,50 milhões $24,50 milhões $140 milhões


2º - JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA - PARTE 1


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$13,20 milhões $277,39 milhões $125 milhões


3º - OS PINGUINS DE MADAGASCAR


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$7,30 milhões $58,83 milhões $132 milhões


4º - TOP FIVE


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$7,21 milhões $7,21 milhões Não divulgado


5º - OPERAÇÃO BIG HERO 6


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$6,14 milhões $185,32 milhões $165 milhões


6º - INTERESTELAR


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$5,50 milhões $166,80 milhões $165 milhões


7º - QUERO MATAR MEU CHEFE 2


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$4,63 milhões $43,60 milhões $42 milhões


8º - DEBI & LÓIDE 2


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$2,75 milhões $82,11 milhões $40 milhões


9º - A TEORIA DE TUDO


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$2,52 milhões $17,15 milhões $15 milhões


10º - LIVRE


Bilheteria do Fim de SemanaBilheteria AcumuladaOrçamento
$1,55 milhões $2,42 milhões $Não divulgado

Lançamentos: Confira os lançamentos da semana de 11/12/2014



O HOBBIT: A BATALHA DOS CINCO EXÉRCITOS

O último filme da trilogia O Hobbit chega agora aos cinemas evocando a nostalgia dos fãs da trilogia O Senhor dos Anéis.

Sinopse: Após ser expulso da montanha de Erebor, o dragão Smaug ataca com fúria a cidade dos homens que fica próxima ao local. Após muita destruição, Bard (Luke Evans) consegue derrotá-lo. Não demora muito para que a queda de Smaug se espalhe, atraindo os mais variados interessados nas riquezas que existem dentro de Erebor. Entretanto, Thorin (Richard Armitage) está disposto a tudo para impedir a entrada de elfos, anões e orcs, ainda mais por ser tomado por uma obsessão crescente pela riqueza à sua volta. Paralelamente a estes eventos, Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) e Gandalf (Ian McKellen) tentam impedir a guerra.

Confira o trailer:


Leia nossa resenha sobre o filme, por Felipe Sclengmann.
Leia nossa resenha sobre o filme, por Adam George Fischler.



MOMMY

O novo filme de Xavier Dolan (Amores Imaginários) é o indicado canadense ao Oscar e chega agora aos cinemas nacionais.

Sinopse: Diane Després (Anne Dorval) é viúva e sente-se sobrecarregada tendo que criar sozinha seu filho Steve (Antoine-Olivier Pilon), violento e problemático. Em um ato de coragem ela tira o garoto da escola e é surpreendida pela boa vontade da vizinha, Kyla (Suzanne Clément), professora que demonstra interesse em ajudar a complicada família.

Confira o trailer:




OUIJA - O JOGO DOS ESPÍRITOS

O filme baseado no jogo que busca se comunicar com os espíritos estreia nos cinemas brasileiros.

Sinopse: Filme baseado no jogo de mesmo nome, utilizado para estabelecer comunicação com espíritos. De acordo com as regras do jogo, os espíritos fazem uma pedra se mover sobre letras em um tabuleiro, compondo frases destinadas aos jogadores. Na trama, uma adolescente deve lidar com a morte da irmã, e usa Ouija para falar com ela.

Confira o trailer:


Leia nossa resenha sobre o filme, por Melissa Correa.



O MENSAGEIRO

O novo suspense com Jeremy Renner (Os Vingadores) estraia agora nos cinemas nacionais.

Sinopse: O jornalista Gary Webb (Renner) é alvo de uma intensa campanha de difamação após denunciar o envolvimento da CIA com os rebeldes Contras da Nicarágua e o tráfico de cocaína. Baseado em fatos reais.

Confira o trailer:




O SENHOR DO LABIRINTO

A biografia O Senhor do Labirinto aborda a esquizofrênia e a vida de Arthur Bispo do Rosário e chega agora aos cinemas.

Sinopse: O longa revela a arte de Arthur Bispo do Rosário (Flávio Bauraqui), sergipano esquizofrênico que passou boa parte de sua vida internado na colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro. Suas criações, como mantos e bordados, são consideradas obras de arte e já representaram o Brasil em evento internacional realizado em Veneza, na Itália. Dentro de seu mundo místico e imaginário, onde acreditava ser Jesus, Bispo era restritivo quanto aos que poderiam adentrar em sua "terras", como aconteceu com o guarda Wanderley (Irandhir Santos), um de seus convidados de sempre.

Confira o trailer:




AS AVENTURAS DO AVIÃO VERMELHO

A adaptação do clássico de Érico Veríssimo, em animação, chega agora aos cinemas.

Sinopse: A trama apresenta a história de Fernandinho, um menino de 8 anos, que perdeu a mãe há pouco tempo, tornando-se um garoto solitário, sem amigos e com problemas de relacionamento com o pai e na escola. Sem saber como lidar com a situação, o pai tenta conquistá-lo com presentes. Nada funciona até que ele dá para o filho um livro de sua infância. Encantado com a história, Fernandinho decide que precisa de um avião para salvar o Capitão Tormenta – aviador personagem do livro, que está preso no Kamchatka. A bordo do Avião Vermelho e junto com seus brinquedos favoritos, Ursinho e Chocolate, que ganham a vida com sua imaginação, Fernandinho visita lugares inusitados, como a Lua e o fundo do mar, e percorre diferentes territórios – África, China, Índia, Rússia. Ao longo dessa jornada, ele descobre o prazer da leitura, a importância de ter amigos e o amor do pai.

Confira o trailer:

Resenha: "O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos" não é um filme ruim, mas é o pior dos seis da Terra Média



O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos não é um filme ruim, mas é o pior dos seis que se passam no universo imaginário criado por J.R.R. Tolkien.

O principal motivo e mais problemático: O sucesso de Uma Jornada Inesperada levou a Warner Bros. a crescer os olhos sobre a nova empreitada de Peter Jackson e transformar o que seriam dois filmes em três. O resultado é um segundo filme cujo final se encontra no prólogo de A Batalha dos Cinco Exércitos, sem necessidade. E uma Batalha cujos objetivos se alongam demasiadamente e se perdem a cada novo exército apresentado em tela.



Os personagens, com exceção de Thorin – Escudo-de-Carvalho (Richard Armitage) e Bard (Luke Evans), apesar de todo tempo a mais que ganharam com a criação de uma trilogia, pecam em desenvolvimento. O rei elfo Thranduil (Lee Pace), pai de Legolas (Orlando Bloom), é o principal exemplo. Sua motivação para entrar na batalha do título é apresentada novamente apenas durante a batalha, uma vez que essa motivação é algo que não ficou tão clara durante os longas anteriores, dada essa falta de desenvolvimento.



Outro motivo é o fator de comparação. Quando se tem uma trilogia concisa como a de O Senhor dos Anéis, onde os filmes foram um crescendo de qualidade, culminando com as 11 estatuetas conquistadas no Oscar pelo filme, o mesmo se espera dessa trilogia. E nesse desfecho, o que mais chama atenção são justamente as amarras criadas entre essa trilogia e a anterior, sem tentar que o filme se sustente por si só.

Tecnicamente não há o que discutir. Fotografia, figurino, direção de arte, trilha sonora e efeitos especiais são esteticamente impecáveis e inquestionáveis. O problema é o roteiro se basear apenas nesses pilares ao invés de usar essa parte técnica em prol de contar melhor a história que se propõe.



O filme conta com a nostalgia do espectador para emocionar e talvez um fã de primeira viagem se decepcione por não conhecer O Senhor dos Anéis mais a fundo. Os fãs de carteirinha, sem sombra de dúvidas, vão se excitar novamente com mais essa viagem a Terra Média. Seria preferível que o tour fosse mais aproximado de um O Retorno do Rei, mas mesmo assim, está valendo a passagem!